Tecnologia invade os campos agrícolas

O mercado de software está invadindo o campo de maneira ágil e repentina. Dados da Associação Brasileira de Empresas de Software (ABES) revelam que, cada vez mais, a tecnologia se consolida no setor de agronegócios como alternativa para enfrentar os desafios e as incertezas do ramo, como variação climática e controle de pragas e insetos, além de aumento da produtividade das lavouras.

Um exemplo disso é a inovadora plataforma lançada pela empresa brasileira Olearys, que já foi instalada em diversas lavouras e vem demonstrando excelentes resultados, com a redução de até 60% na aplicação de defensivos agrícolas e contribuição para minimizar a poluição da água doce, já que reduz 52% das operações de pulverizações nas lavouras.

Nas regiões de Nova Mutum, no Mato Grosso, e nas localidades de Goiás e São João da Aliança, em Goiás, por exemplo, em pouco mais de dois meses, a empresa implementou a plataforma e já conseguiu resultados positivos no controle preventivo da ferrugem da soja. Foram instaladas oito estações meteorológicas para o monitoramento da região.

Outro caso que o banco de dados da plataforma Hemisphere consegue prevenir é o da ferrugem do eucalipto — doença que ocasiona a desfolha precoce das plantas em até 40% -, um dos principais responsáveis por perdas econômicas no cultivo do mesmo, que representa 74,8% dos 6.515.844 hectares de florestas plantadas no Brasil. Além da soja e do eucalipto, a plataforma pode ser adaptada para culturas de tomate, batata, uva, trigo, maçã, folhosas, feijão, entre outras.

Em 2012, houve um crescimento de 47,3% na receita de software no setor e esse número sobe para 72,5% quando se analisa o período de 2010 até 2012. Atualmente, a tecnologia na agricultura é a principal responsável pelo aumento de cerca de 70% da produtividade agrícola do país, representando mais de 23% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e gerando 37% dos empregos no país.

A principal inovação desta tecnologia consiste na integração da estação meteorológica com um sistema de informática que coleta os dados ambientais no micro das lavouras, transformando-as em coeficientes de risco que indicam se o clima está ou não favorável para a ocorrência da doença. O acesso ao conhecimento científico se dá pela internet através de uma senha que é transferida para o usuário.

Tais sistemas são a evolução da fitopatologia, contribuindo para a efetivação de práticas científicas que promovem o desenvolvimento sustentável da propriedade agrícola. A plataforma dispõe de diversos aplicativos e funcionalidades para o produtor agrícola, que obtém o conhecimento científico pela internet, em tempo real e é avisado sobre as variações climáticas via SMS, com até 15 dias de antecedência.

Por meio do monitoramento climático, a plataforma Hemisphere transforma dados em conhecimento, ou seja, informações que fazem a diferença para o agricultor, trazendo benefícios como redução do uso do agrotóxico, economia de água e energia e aumento da produtividade. Na prática do campo, é capaz de processar um vasto banco de dados ambientais e gerar conteúdos personalizados para os agricultores monitorarem o microclima das lavouras — determinando, assim, a possível ocorrência das doenças e pragas que influenciam nos impactos econômicos, sociais e ambientais de cada região.

"Como o cenário da agricultura brasileira é fortemente influenciado pelas mudanças climáticas globais, centenas de profissionais trabalham para que nossa agricultura esteja preparada para enfrentá-las e consiga se antecipar à chegada das epidemias para evitar o grande desperdício. Ea plataforma age com esse propósito", explica o gerente de operações da Olearys, Tiarê Balbi.

Para saber mais

Assista aqui a reportagem "Produtores de tomate reduzem uso de agrotóxicos para doenças causadas por fungos" exibido no programa Globo Rural.

Fonte: Contextual Comunicação
Taynah Bianchi – Jornalista
Telefone: (21) 2532-1575