El Niño e as plantações

Um grupo de pesquisadores coordenado por Toshichika Iizumi, do Instituto Nacional de Ciências Agroambientais do Japão (Niaes, da sigla em inglês), mapeou o impacto que os fenômenos climáticos El Niño e La Niña podem gerar sobre as principais culturas agrícolas nas diferentes regiões do planeta.

Esse parece ser o primeiro trabalho a avaliar a influência global das diferentes fases da Oscilação Sul-El Niño (Osen) — fenômeno climático responsável pelo aquecimento (El Niño) e resfriamento (La Niña) da temperatura da superfície do oceano Pacífico — sobre as plantações de arroz, trigo, milho e soja, as principais culturas agrícolas do mundo, responsáveis por fornecer até 60% das calorias produzidas em terras agrícolas.

A Osen, que pode aumentar as chuvas em algumas regiões e diminuir em outras, afeta o rendimento das plantações de modo distinto, de acordo com a localização geográfica, o produto cultivado e a fase de aquecimento ou resfriamento do Pacífico.

Segundo o estudo, o El Niño pode aumentar o rendimento de até 36% das áreas plantadas e diminuir em até 24% delas — entre as culturas favorecidas estão o milho, a soja e o arroz produzidos no Brasil.

Já o La Niña pode causar um impacto negativo em até 13% das terras agrícolas e positivo em no máximo 4% (Nature Communications, maio 2014). Os pesquisadores acreditam que o mapa possa ajudar os produtores a decidir quais culturas plantar, além de fornecer aos governos um sistema de alerta sobre escassez de alimentos.

Fonte: Revista Pesquisa Fapesp