Cartilha mostra percepção de agricultores sobre mudanças climáticas

A história em quadrinhos e a linguagem informal foram escolhidas pela sub-rede Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Regional para apresentar a percepção de agricultores familiares do sertão nordestino sobre as alterações no clima e, também, como isso tem afetado as suas atividades produtivas. O resultado, a cartilha Num Clima de Prosa, acaba de ser lançado e está disponível na internet. Uma versão impressa está sendo elaborada para distribuição a educadores, estudantes, técnicos agrícolas e agricultores da região.

A sub-rede integra a Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (Rede Clima), que reúne especialistas de instituições e universidades de todo o país e tem sede no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos (SP).

Em 2011 e 2012, pesquisadores da sub-rede, em parceria com universidades locais, aplicaram aproximadamente 1.140 questionários, distribuídos entre quatro regiões do Semiárido brasileiro: Juazeiro (BA), Gilbués (PI), Seridó Potiguar (RN) e Chapada do Araripe (CE).

O levantamento teve como objetivos: identificar a percepção das populações locais e dos formuladores de políticas públicas quanto aos impactos das mudanças no clima e suas implicações sobre as atividades produtivas; Identificar vulnerabilidades socioeconômicas e ambientais nas localidades selecionadas e suas implicações sobre as atividades produtivas; analisar a capacidade de adaptação dos sistemas produtivos e grupos sociais mais frágeis socialmente, frente aos impactos ambientais e sociais originados das possíveis alterações climáticas nos territórios selecionados; analisar como os programas governamentais existentes ajudam na diminuição ou no aumento da vulnerabilidade às possíveis alterações climáticas nas regiões estudadas; e identificar medidas locais de adaptação aos possíveis impactos das mudanças climáticas nas regiões.

O trabalho foi realizado por meio do projeto Mudanças Climáticas, Produção e Sustentabilidade: Vulnerabilidade e Adaptação em Territórios do Semiárido, financiado pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB), pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Acesse aqui a cartilha.

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação