Florianópolis é cidade mais favorável ao empreendedorismo, diz estudo

A capital de Santa Catarina, Florianópolis, é a cidade brasileira com ambiente mais favorável para empreendedores, segundo um novo estudo divulgado ontem (24/11/14). O Índice de Cidades Empreendedoras (ICE) foi elaborado pela filial brasileira da Endeavor, ONG sediada nos Estados Unidos com foco em empreendedorismo. Faça aqui o download do estudo completo.

Ele traça um panorama das cidades com melhores condições para quem busca empreender, ou seja, para os donos de negócios "que buscam gerar valor por meio da criação ou expansão de alguma atividade econômica, identificando ou explorando novos produtos, processos e mercados", afirmou o relatório.

Em sua primeira edição, o levantamento analisou apenas as 14 capitais brasileiras que possuem regiões metropolitanas com mais de 1% das empresas de alto crescimento do Brasil (aquelas que conseguem crescer pelo menos 20% por três anos seguidos, segundo dados do IBGE). Atualmente, há 35 mil empresas (1% do total do país) nessa categoria. Ainda assim, elas geram metade dos novos empregos, de acordo com a Endeavor.

Considerada "referência nacional de ambiente de negócios", Florianópolis lidera o ranking, seguida por São Paulo (SP), Vitória (ES), Curitiba (PR), Brasília (DF). Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), Manaus (AM), Belém (PA), Recife (PE) e Fortaleza (CE). Salvador (BA) ocupa a última posição da lista, como a capital com menores condições para atuais e futuros empreendedores.

As 14 cidades foram avaliadas a partir de sete "pilares": ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura. Elas recebem notas que variavam de um a dez. Quanto mais próximo de dez, mais favorável é o ambiente ao empreendedorismo.

Cada um desses quesitos, por sua vez, apresentava duas subdivisões, amparadas por indicadores e variáveis. Em Mercado, por exemplo, foram avaliados o desenvolvimento econômico e os clientes potenciais de cada uma das cidades. Nessa mesma linha, a subdivisão Desenvolvimento Econômico foi estimada com base nos dados do crescimento real do PIB (Produto Interno Bruto, a soma de bens e serviços produzidos) e do próprio PIB total das capitais.

Planejamento

Segundo o estudo, o sucesso de Florianópolis pode ser explicado pelo planejamento da cidade, que começou em meados da década de 1950 e ganhou força a partir da década de 1980.

"Há 30 anos, Florianópolis, uma região com poucas empresas até então, provavelmente não imaginaria atingir um resultado tão expressivo. Mas a análise final apresentada mostra que é possível construir uma cidade com um bom ambiente para empreendedores, e evidencia o papel central do formulador de políticas públicas ao arquitetar um futuro promissor para sua comunidade. Uma cidade bem sucedida depende do alinhamento econômico, governamental e social", diz o relatório.

Outro fator, de acordo com a pesquisa, é o nível educacional da população local.

"Florianópolis é líder em capital humano por reunir amplo acesso e qualidade em suas escolas e universidades. A cidade pode ser considerada um polo com mão de obra capacitada, com mais de 30% da população com diploma de graduação", informa o estudo.

"Não só a educação é acessível, mas os cursos também são de qualidade, com quase 60% dos universitários estudando em instituições com notas máximas (4 e 5) no ENAD E– três vezes acima da média das outras 13 capitais", acrescenta o relatório.

Veja o ranking das cidades brasileiras

Florianópolis (SC) — 7,53
São Paulo (SP) — 7,46
Vitória (ES) — 7,16
Curitiba (PR) — 6,96
Brasília (DF) — 6,33
Belo Horizonte (MG)– 6,15
Porto Alegre (RS) — 5,94
Goiânia (GO) — 5,91
Rio de Janeiro (RJ) — 5,86
Manaus (AM) — 5,33
Belém (PA) — 5,24
Recife (PE) — 4,83
Fortaleza (CE) — 4,77
Salvador (BA) — 4,53

Segundo o estudo, a cidade tem a maior proporção de pesquisadores trabalhando em empresas (um para cada 28 empresas, duas vezes a média das 14 capitais). Essas companhias também manteriam um bom relacionamento com as instituições de ensino locais.

"Mesmo com uma grande proporção de mão de obra qualificada e uma alta renda per capita, a remuneração está abaixo da média das cidades analisadas: dirigentes em Florianópolis têm um salário médio igual a 45% do praticado em São Paulo", afirma o relatório.

Além disso, de acordo com o levantamento, Florianópolis apresenta "uma infraestrutura equilibrada, com fácil mobilidade, boa segurança e custos de imóveis e energia elétrica abaixo da média. É também a capital analisada com a população mais ligada à internet, com quase 80% das pessoas conectadas".

O estudo, entretanto, aponta que os principais desafios para a capital catarinense são o "mercado restrito", "a necessidade de buscar investimento ao longo do tempo" e "a morosidade do ambiente regulatório".

"O potencial de consumo em Florianópolis é alto, mas o mercado é restrito, com o menor PIB das 14 capitais analisadas. Outro desafio de desenvolver grandes empresas na cidade está ligado à necessidade de buscar investimentos ao longo do tempo. Florianópolis está abaixo da média em relação à movimentação de crédito a partir de investimentos dos bancos múltiplos. Soma-se a esses desafios um ambiente regulatório em certos casos moroso, especialmente no que diz respeito a abrir empresas: são quase três meses, em média, para regularizar todos os procedimentos necessários", informa o relatório.

Norte e Nordeste

A pesquisa destaca, no entanto, que apesar de apresentar as condições menos favoráveis ao empreendedorismo, as capitais do Norte e do Nordeste têm "a maior cultura empreendedora" do país.

Segundo a Endeavor, essas cidades não só têm maiores proporções de perfis mais empreendedores, como a percepção da população frente ao empreendedorismo é "mais positiva do que a média".

"A população dessas regiões, principalmente em Belém, é a que mais credita o desenvolvimento do país aos empreendedores, próximo a 70%. Os meios de comunicação parecem ter um papel importante nesse cenário, em que cerca de 60% da população relata ver matérias e entrevistas na mídia em geral", diz o estudo.

"No extremo oposto, habitantes das capitais onde o setor público é especialmente presente, como Brasília, ou aquelas com concentração de grandes empresas, como São Paulo e Rio de Janeiro, tendem a enxergar os empreendedores como menos relevantes para o desenvolvimento nacional".

"Em alguns casos, como Brasília, 15% consideram que empreendedores são pessoas que exploram seus funcionários. Nesse sentido, campanhas na mídia (que também têm baixa percepção), como as realizadas em Manaus e Belém, podem ser importantes para transformar a cultura local. Elas aproveitaram exemplos de sucesso que deram certo do jeito certo".

Fonte: BBC Brasil
Luís Guilherme Barrucho