Centro de Inteligência em Orgânicos lança guia que ensina a investir no setor

O Centro de Inteligência em Orgânicos (CI Orgânicos) e a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) lançaram no dia 28 de novembro de 2014, na Feira do Empreendedor, no Riocentro, um guia especial para quem deseja investir no mercado de orgânicos. O guia pode ser acessado neste link.

A coordenadora do CI Orgânicos, Sylvia Wachsner, destacou, em entrevista à Agência Brasil, que as pessoas interessadas em fazer investimentos no setor têm que entender "qual é importância da legislação orgânica, o que significa certificação, o que é um produto orgânico".

Nos atendimentos que vem fazendo no estande do CI Orgânicos, na Feira do Empreendedor, Sylvia recomenda a todos o fechamento de um plano de negócios que inclua, entre outros tópicos, a análise do solo e da água da região onde se pretende implantar uma agroindústria orgânica, ou mesmo iniciar uma produção orgânica . "A gente dá um passo a passo para eles poderem seguir em frente".

Sylvia enfatizou que a agroindústria orgânica tem obrigação de cumprir com a lei, em especial a que trata das normas de vigilância sanitária. Ser orgânico não significa ter que deixar de cumprir tudo o que diz a lei", salientou. "Orgânico é um adicional sobre o que já existe", completou.

Segundo Sylvia Wachsner, o guia é uma ferramenta importante não só para os agricultores orgânicos, mas também para a agroindústria de beneficiamento, que possa adicionar valor ao produto. Lembrou que, atualmente, em todo o mundo, os consumidores se mostram mais interessados em comprar alimentos saudáveis que respeitem o meio ambiente. É o caso dos produtos orgânicos, disse.

Acentuou também que, com o aumento da população mundial, a demanda por alimentos vai exigir que a agricultura se torne cada vez mais sustentável, como ocorre com a produção orgânica.

Embora não haja estatísticas oficiais, Sylvia estimou que a agricultura orgânica no Brasil, formada em sua maioria por agricultores familiares, apresenta uma expansão entre 15% e 20% ao ano, devido às vendas diretas ao consumidor em feiras orgânicas e para a merenda escolar. Já a agroindústria de orgânicos cresce em torno de 10% ao ano. "O produto com maior valor agregado não cresce tanto. É mais complicado, porque ainda é uma cadeia em formação".

Fonte: Agência Brasil
Alana Gandra – Repórter
Jorge Wamburg – Edição