Resultado de embargo russo divide exportadores no Brasil

Esperava-se que o embargo declarado por Moscou em agosto a importações dos Estados Unidos e da Europa pudesse levar a um boom da exportação de carnes brasileiras para a Rússia. Passados quatro meses desde a imposição dessas barreiras, porém, seu resultado divide exportadores brasileiros.

Enquanto produtores de frango e carne suína atribuem ao embargo um crescimento de mais de 100% nas vendas para os russos neste ano, os exportadores de carne bovina parecem ter se decepcionado.

"Já vínhamos em uma trajetória de aumento das exportações para o mercado russo e nosso pico de vendas para o país na realidade ocorreu em julho, antes do embargo", diz o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antonio Jorge Camardelli.
Na época, as vendas chegaram a 40 mil toneladas. Depois disso, regrediram para o patamar das 30 a 35 mil toneladas.

É verdade que, nos 11 primeiros meses deste ano, a Rússia importou US$ 1,279 milhões em carne bovina brasileira – só perdendo para Hong Kong na lista de maiores importadores. Ainda assim, a alta foi de apenas 6,8% em relação ao mesmo período de 2013.

"Nos últimos meses, uma cesta de fatores que incluem o desaquecimento da economia russa e a desvalorização do rublo acabou nos prejudicando", avalia Camardelli.

Já no caso das exportações de carne suína, as barreiras à importação de produtos americanos e europeus ajudaram a Rússia a se tornar o principal importador do produto brasileiro em 2014, com uma participação de 37,9% sobre o total, de acordo com dados publicanos no dia 9 de dezembro de 2014 pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

De janeiro a novembro, os russos importaram US$ 766,03 milhões em carne de porco brasileira, uma alta de 101,5% ante igual período de 2013.

O aumento dos embarques de carne de aves para a Rússia também foi substancial após o embargo, segundo Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA. Como resultado, de janeiro a novembro as exportações foram 159% superiores às do mesmo período de 2013 em volume e cerca de 120% mais altas em valores.

"Isso certamente foi resultado do embargo – até porque as vendas de carne de frango para a Rússia vinham em uma trajetória de queda", diz Sartin.

"Talvez a diferença de resultados em relação aos produtores de carne bovina seja decorrência de um ambiente de menos concorrência no caso das aves e suínos – já que para a carne bovina os russos têm como alternativa forte os australianos. Além disso, é preciso lembrar que o nosso produto é mais barato: seu consumo tende a se manter em momentos de desaquecimento econômico."
O vice-presidente da ABPA explica que, no caso das exportações de aves, o mercado russo tem um peso relativamente pequeno para o Brasil – de cerca de 3%.

"É claro que essas altas recentes (das vendas para a Rússia) também devem ser relativizadas em função da volatilidade desse mercado", diz ele.

"Já chegamos a enviar 300 mil toneladas de aves para a Rússia, mas houve uma queda para a faixa das 60 mil toneladas antes de os embarques voltarem a subir, no pós-embargo, para a faixa dos 120 mil."

As barreiras russas às exportações dos Estados Unidos e da União Europeia foram uma retaliação às sanções adotadas contra Moscou por causa da crise na Ucrânia.

Os americanos e europeus acusam a Rússia de apoiar rebeldes separatistas no leste ucraniano e usaram tais sanções para pressionar por um fim da influência russa na região.

"Não festejamos ganhos que sejam decorrentes de problemas e crises internacionais, mas não há como negar que o embargo foi positivo para os produtores de carne suína e de aves brasileiros", diz Sartin.

"Por outro lado, não temos nenhuma garantia de que esse efeito será duradouro, ajudando a consolidar uma parceira comercial Brasil-Rússia nessa área."

Fonte: BBC Brasil
Ruth Costas