15 cientistas divulgam carta aberta sobre a crise hídrica no Sudeste

Quinze renomados cientistas brasileiros de várias áreas – engenharia, ecologia, biologia aquática, climatologia, hidrologia e mudanças climáticas – especializados em recursos hídricos, lançaram, no dia 16 de dezembro de 2014, a “Carta de São Paulo”, um documento com análises e recomendações sobre como enfrentar a grave crise hídrica no Sudeste.

A iniciativa foi endossada pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e teve a coordenação geral do biólogo e oceanógrafo José Galizia Tundisi. Entre os signatários estão José Marengo, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); Carlos Afonso Nobre, climatologista do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Luiz Pinguelli Rosa, secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, entre outros. Também houve a contribuição de promotores do Ministério Público do Estado de São Paulo.

De acordo com o documento, os cientistas constataram que há uma ameaça real à segurança hídrica no Sudeste. “São fortíssimos os indícios de que há uma mudança climática em curso, evidenciada pelas análises de séries históricas de dados climáticos e hidrológicos e projeções de modelos climáticos, com consequências na reservação de água e em todo o planejamento da gestão dos recursos hídricos. Estas mudanças climáticas não são apenas pontuais. Há indicações e fatos que apontam para sua possível continuidade, configurando uma ameaça à segurança hídrica da população da região Sudeste, especialmente da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), do interior de Minas Gerais e do Estado do Rio de Janeiro, de modo que todos devem estar preparados para eventos climáticos, cada vez mais extremos”, diz um trecho da Carta.

Os cientistas também apontaram outro grave problema: ar, água e solo poluídos comprometem os usos múltiplos dos recursos hídricos. “A crise hídrica, influenciada pelas alterações climáticas e hidrológicas, é agravada pelas mudanças no uso do solo, pela urbanização intensa, pelo desmatamento em regiões de mananciais e, principalmente, pela falta de saneamento básico e tratamento de esgotos, aumentando a vulnerabilidade da biota terrestre e aquática e das populações humanas”, diz o trecho do documento.

O texto também fala que a escassez de água no estado paulista já compromete a economia, saúde pública e produção de alimentos e energia.

A “Carta de São Paulo” recomenda 10 ações às autoridades municipais, estaduais e federais:

– Modificações imediatas no sistema de governança de recursos hídricos;

– Implementação de planos de contingência;

– Drástica redução do consumo de água e outras medidas emergenciais para 2015;

– Investimento imediato em medidas de longo prazo;

– Projetos de saneamento básico e tratamento de esgotos em nível nacional, estadual e municipal;

– Monitoramento de quantidade e qualidade da água;

– Proteção, conservação e recuperação da biodiversidade;

– Reconhecimento público e conscientização social da amplitude da crise;

– Ações de divulgação e informação de amplo espectro e;

– Capacitação de gestores com visão sistêmica e interdisciplinar.

Clique aqui para ler a “Carta de São Paulo” na íntegra.

FONTE: Akatu

Com informações do site da Academia Brasileira de Ciências.