Tecnologia sem fio permite recarregar uma dúzia de aparelhos ao mesmo tempo

Aquela caixinha preta no canto esquerdo da foto promete tornar realidade algo que muita gente sonha há muito tempo: ela é capaz de recarregar seus dispositivos pelo ar. Nada de fio e nada de sofrer procurando por tomadas disponíveis. Como se isso já não fosse bom o bastante, segundo a empresa Energous, sua tecnologia WattUp tem o poder de recarregar de forma wireless até 12 gadgets de uma só vez, a uma distância de até 5 metros do aparelho. A invenção apresentada na CES 2015 funciona basicamente como um roteador que transmite energia via Bluetooth em uma frequência de 5,7 a 5,8 GHz.

Naturalmente, quanto mais aparelhos são alimentados pelo WattUp, menor é a quantidade de energia que chega até eles, e o mesmo vale para a distância — quanto mais longe da fonte emissora, mais fraco é o “sinal”. Caso se atinja o máximo de uma dúzia a um raio de 1,5 metro, cada um recebe 0,25 watts. Com quatro eletrônicos conectados, a situação já melhora bastante: a esta mesma distância, impressionantes 4 watts são roteados, e chegando ao limite de 4,5 metros do dispositivo, o número cai para 1 watt. Para efeito de comparação, um carregador de iPhone fornece cerca de 5 watts.

A tecnologia pode não ser uma campeã em termos de agilidade (não espere que ela recarregue um celular tão rápido quanto um carregador convencional), mas de qualquer forma este não é seu objetivo. Tendo um produto destes em casa, a ideia geral é fazer com que seus gadgets nem cheguem a ficar com a bateria fraca.

O mais bacana é que o WattUp não fica emitindo energia de forma aleatória: é possível, por exemplo, configurá-lo para sempre deixar seu smartphone em 100%, mas só recarregar seu mouse sem fio quando a carga dele chegar aos 5%. Outro recurso interessante é que se houver dois sistemas na casa, um no quarto e outro na sala, os eletrônicos sempre receberão a frequência do que estiver mais próximo.

A Energous afirma que lançará a tecnologia no mercado até o final de 2015, com o custo do transmissor estimado em US$ 300. O maior entrave é que, por ora, a bateria dos dispositivos não é compatível com o WattUp, portanto seria necessário comprar um kit que a adapte à novidade. Eventualmente, se a invenção pegar, as fabricantes poderão lançar os gadgets já adaptados de fábrica — facilitando e barateando esta transição.

FONTE: Revista Galileu
André Jorge de Oliveira – Jornalista