Avaliação financeira contribui para sucesso dos cultivos em Sistemas Agroflorestais

A proposta dos Sistemas Agroflorestias, de combinar o plantio de árvores com diferentes cultivos agrícolas numa mesma área, pode parecer complicada. Mas com planejamento, agricultores têm a chance de diversificar a produção e recuperar a fertilidade do solo. Para contribuir na etapa de gestão desse sistema, a Embrapa realiza, entre os dias 27 e 30 de janeiro de 2015, o curso Análise da Viabilidade Financeira de Sistemas Agroflorestais (SAFs), em Rio Branco (AC).

Produtores rurais, técnicos e pesquisadores de 15 instituições participam das aulas, ministradas pelo pesquisador da Embrapa Florestas (Colombo/PR), Marcelo Francia Arco-Verde. “A metodologia que enfocamos no curso permite realizar um raio-x do Sistema Agroflorestal, no qual é possível organizar os custos e as receitas de cada uma das espécies cultivadas. Com isso, o agricultor consegue planejar a produção, fazer ajustes e acessar crédito agrícola”, afirma.

“Os participantes poderão validar modelos de Sistemas Agroflorestais que as instituições já trabalham e que podem ser financiáveis”, afirma o pesquisador da Embrapa Acre e coordenador do curso, Tadário Kamel de Oliveira.

Os Sistemas Agroflorestais podem ser uma opção estratégica para agricultores familiares da Amazônia, devido à possibilidade de diversificação da renda. No entanto, segundo Arco-Verde, o planejamento é fundamental, porque a o recurso humano é um dos principais gargalos. “Na agricultura familiar, cerca de 70% dos gastos são com mão-de-obra e a análise da viabilidade financeira ajuda a identificar esse tipo de custo”.

A técnica em agropecuária do Projeto Reca (Nova Califórnia/RO), Taysa Falts Macedo, conta que os produtores associados atuam há 25 anos com Sistemas Agroflorestais e mesmo assim ainda existem etapas a serem melhoradas. “A análise financeira é um desses pontos. A maioria dos agricultores ainda não faz, tem dificuldade para quantificar os gastos, mas com essa ferramenta que estamos aprendendo no curso, pretendo estimulá-los a realizar”, disse.

O Projeto Reca integra três mil hectares de Sistemas Agroflorestais e produz polpas de frutas, óleos de castanha-do-brasil e de andiroba, manteiga de cupuaçu e palmito de pupunha. “Temos recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para ampliar 300 hectares de SAFs e pretendemos utilizar essa metodologia de avaliação financeira já nesses novos cultivos”, afirma.

A capacitação faz parte dos projetos Rede de Intercâmbio e Transferência de Conhecimentos e Tecnologias Agroflorestais na Amazônia (Retaf) e Sistemas Agroflorestais para a Recuperação de Áreas Degradadas (Saram), coordenado pela Embrapa Acre.

FONTE

Embrapa Acre
Priscila Viudes – Jornalista
Telefone: ¨(68) 3212-3250
E-mail: acre.imprensa@embrapa.br