Pele artificial

O país registra cerca de um milhão de pessoas por ano com queimaduras. Desse total, 2.500 morrem. Os acidentes com fogo são a segunda causa de morte na infância no Brasil. Esses números fizeram com que a criação em laboratório de substitutos de pele para uso como enxerto se tornasse um importante foco de pesquisa nos últimos 30 anos. Agora, pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) constataram em ensaios laboratoriais a eficácia de um substituto cutâneo tridimensional tendo em sua composição uma substância extraída de uma árvore nativa do país, a copaibeira (Copaifera langsdorffii). Veja no vídeo produzido pela equipe da Revista Pesquisa Fapesp como esse substituto cutâneo poderá ser usado como possível enxerto no tratamento de queimaduras e lesões graves.

FONTE: Revista Pesquisa Fapesp