Da Redação


O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, chamou ontem de acidente de percurso o caso da rejeição da China à soja brasileira. Segundo ele, o Governo brasileiro está se colocando à disposição dos técnicos chineses para esclarecer o assunto. “Nos colocamos à disposição para dar apoio, inclusive com envio de técnicos do ministério para a China. Temos tido contatos frequentes com as autoridades de lá, sobretudo com o ministério da quarentena, que é responsável por esse evento’’, disse ontem o ministro.

Furlan disse que esse caso não deve ser entendido como permanente. ‘‘Não acredito que essa proibição seja permanente. Devemos olhar isso como acidente de percurso’’, afirmou.

O vice-ministro do Comércio da China, Yi Xiozhum, que se reuniu com Furlan, disse que a preocupação de seu país com a soja brasileira pode ser explicada pelo seu uso, já que é para alimentação humana. A China acusa produtores e exportadores brasileiros de misturarem sementes contaminadas com fungicida e por isto recusou os carregamentos oriundos do Brasil.

O Governo chinês pretende encontrar uma solução ‘‘o mais rápido possível’’ para o impasse sobre a importação da soja brasileira. A afirmação foi feita por Yi Xiozhum. ‘‘Vamos encontrar uma solução o mais rápido possível. A China está disposta a aumentar o comércio de soja com o Brasil’’, disse. Xiozhum afirmou que o embargo do produto brasileiro reflete uma preocupação apenas técnica

Satélite pronto para vender imagens

O Brasil deve compor seleto grupo de países que vendem imagens de satélites de alta tecnologia: as imagens do CBERS 1 e 2 – satélites construídos em parceria entre Brasil e China – devem começar a ser comercializadas a partir de agosto. Para o Brasil e a China, as imagens são gratuitas.O serviço começou a funcionar há dois meses.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, inaugurou, ontem, no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais(Inpe), em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, a 100 quilômetros de São Paulo, a página na internet que vai distribuir gratuitamente imagens dos satélites sino-brasileiros. ‘‘Neste ato singelo estamos gerando oportunidade de empregos e de renda’’, afirmou Campos. Em dois meses de testes a página de distribuição gratuita das imagens do CBERS (www.cbers.inpe.br) foi visitada 631 vezes e recebeu 2.566 pedidos de 6.812 cenas. A intenção até o final do ano é distribuir 15 mil cenas de monitoramento de imagens.

Jornal do Commercio – 16/06/2004
http://www.jornaldocommercio.com.br/

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.