O clima adverso com diminuição das temperaturas em regiões produtoras de grãos nos Estados Unidos provocaram uma forte alta nas cotações futuras da soja, do milho e do trigo na Bolsa de Chigado, com índices de 2,7%, 2,9% e de 1,8% respectivamente.
O grande fomentador foi o relatório das condições das louvouras de soja do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), informando que 69% das lavouras estavam em condições ótimas ou excelentes, contra 72% registrados na semana anterior. O sinal de alerta foi dado no último dia 12, quando a agência anunciou uma redução da safra norte-americana, que passou de 80 milhões para 78 milhões de toneladas.
“Na época, essa revisão causou estranheza porque ela não havia sido antecipada em nenhum relatório semanal de condição das lavouras”, diz Renato Sayeg, da Tetras Corretoras. Os contratos da safra nova de soja, com entrega em novembro, foram negociados ontem a 584 centavos de dólar o bushel, ou US$ 12,87 a saca em Chicago.
Piora lavoura de milho
O Usda informa que, na semana passada, 73% das plantações estavam em situação ótima ou excelente, abaixo dos 76% registrados no período anterior. O mercado esperava uma redução de 1% a 2%. Em Iowa, as lavouras consideradas de ótimas a excelentes, que somavam 78% do total, hoje perfazem 74%. Em Illinois o número caiu de 83% para 80% e em Wiscosin, de 60% para 54%.
Trigo
As chuvas que estão beneficiando a soja e o milho estão atrasando a colheita de trigo de primavera nos Estados Unidos. Até o último domingo, 21% das lavouras tinham sido colhidas, acima dos 10% apurados na semana anterior, porém consideravelmente atrás da média de 40% registrada nos últimos cinco anos pelo Usda.
Com informações da Gazeta Mercantil

Fonte: Gazeta Mercantil

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.