Parceria entre a Embrapa Cenargen (Centro Nacional de Recursos Genéticos) e a rede Sabin de laboratórios de análises clínicas vai promover exames que detectam e quantificam resíduos de antibióticos nas aves destinadas ao mercado externo. Por meio da empresa Sabin Biotec, situada em Brasília, os produtores de todo o país poderão assegurar aos compradores estrangeiros que o frango estará livre da presença de metabólitos de nitrofurano, resíduo do antibiótico cujo uso é condenado pelo mercado internacional.

Situado no Planalto Central (Parque Estação Biológica, na Av. W5 Norte), o novo laboratório é especializado em biotecnologia e atenderá com mais facilidade os produtores da fronteira agrícola do país, que está em franca expansão rumo ao Norte. O início das atividades está marcado para fevereiro próximo. Até então, os produtores contavam com apenas dois laboratórios, um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, para efetuar os exames clínicos. A parceria com a Embrapa Cenargen é o diferencial da nova empresa. e quot;Essa parceria com o Sabin é altamente estratégica, já que temos tecnologia similar à utilizada pelos laboratórios estrangeiros para garantir a qualidade da agroindústria brasileira e quot;, explica Carlos Bloch, pesquisador da Embrapa.

Sabin doa prédio à Embrapa

Pelo acordo de cooperação assinado entre as partes, a entidade pública vai transferir a tecnologia para a realização dos testes. Em contrapartida, o Laboratório Sabin vai viabilizar economicamente as pesquisas. Até mesmo o prédio onde serão realizados aproximadamente 1,5 mil exames por mês foi construído com recursos próprios do laboratório e doado à Embrapa.

O resultado atestando que o produto está livre de nitrofurano facilita a comercialização da carne de frango brasileira no mercado externo, que impõe, cada vez mais restrições à exportação, disfarçadas de barreiras fitossanitárias. Carlos Bloch conta que, se o produto não tiver o certificado de qualidade do produto, o exportador brasileiro corre o risco de ter sua carga rejeitada ao desembarcar em outro país, além de ter seu produto incinerado.

Economia com armazenagem

O exame também gera economia de gastos com armazenagem. Isso porque a União Européia, desde 2003, realiza testes em 100% da carga brasileira para avaliar a contaminação por nitrofurano. A decisão européia provoca atraso de até três semanas nos desembarques, aumentando os custos das empresas.

No caso da ave brasileira, o exame é importante para continuar garantindo o bom desempenho brasileiro nas exportações. O Brasil assumiu em 2003 o posto de maior exportador mundial da carne. Somente no ano passado, as vendas externas do produto geraram uma receita de US$ 2,6 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Frango. O valor é 44% maior do que as vendas de 2003, que somaram US$ 1,8 bilhão. O frango é hoje o segundo produto mais exportado pelo país, superado apenas pela soja.

A rede Sabin

O Sabin Biotec é uma empresa do grupo Laboratório Sabin, fundado em maio de 1984, pelas sócias Sandra Costa e Janete Vaz. Com 34 unidades no Distrito Federal, que atendem aproximadamente 40 mil clientes por mês e realizam 3 milhões de exames por ano, a rede lidera o segmento de análises clínicas no Centro-Oeste. Atentas às demandas para análise de produtos agropecuários, as proprietárias do Sabin decidiram investir em biotecnologia. e quot;Como o Sabin já detém a tecnologia molecular, vamos transferir o nosso padrão de qualidade em análises clínicas para as pesquisas na área de segurança alimentar e quot;, explica Sandra Costa, diretora técnica.

O Sabin é reconhecido por diversas certificações de renome, como a ISO 9001:2000, que avalia o rigor técnico dos procedimentos, SA 8000:2001, considerada uma espécie de e quot;selo de qualidade social e quot; principalmente com os colaboradores, PALC/SBPC que tem foco nos procedimentos e ISO 14000, que avalia o cuidado com a preservação do meio ambiente. A diretoria acredita que os certificados internacionais vão reforçar a credibilidade dos exames do Sabin Biotec no mercado externo. A localização do empreendimento também é bastante favorável ao sucesso do negócio.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A FUNEP promove no dia 10 de dezembro o curso Treinamento: GPS de navegação na Agropecuária. Os objetivos são o de fornecer noções básicas de geodésia e cartografia necessária na operação de receptores GPS de navegação; descrever e aplicar, no setor agropecuário, as funções usuais encontradas em receptores de navegação; e o treinamento básico no software TrackMaker.

Programa

1 – Formas de representação da Terra

2 – Geodésia X Topografia

3 – Sistemas Geodésicos e Datuns

4 – Concepção dos Sistema de GPS

5 – Metodologias de coleta de dados, através de posicionamento por satélites

6 – Funções usuais encontradas em receptores GPS de navegação:

  • Bússola
  • Odômetro e velocímetro
  • Leitura de coordenadas e altitudes
  • Cálculo de distâncias e áreas planas
  • Marcação de pontos ( e quot;Waypoints e quot;)
  • Marcação de trilhas ( e quot;Trakers e quot;)
  • Locação de pontos e trilhas

7. Software TrackMaker:

  • Configuração do sistema
  • Transferência de dados do receptor para o sistema
  • Cálculo de distâncias e áreas planas
  • Exportação de dados

8 – Exemplos de aplicação da tecnologia e perspectivas futuras:

  • Verificação aproximada de dividas e confrontantes
  • Medição de piquetes, talhões, cercas, carreadores e estradas
  • Marcação de locais de incidência de pragas, doenças e invasoras
  • Marcação de pontos de amostragem de solo ou foliar
  • Marcação de locais para instalação de infra-estrutura, como galpões, silos, reservatórios, etc.
  • Perspectiva para o futuro da tecnologia GPS

Instrutor

Prof. Dr. David Luciano Rosalen. Engenheiro Agrônomo, 1990 (ESALQ/USP); Mestre em Engenharia de Transportes, 1997 (EESC/USP); Doutor em Ciências, 2002 (UFSCAR); Especialista em Manejo de Solos, 2003 (ESALQ/USP). Áreas do conhecimento: Topografia e Geodésia; Sensoriamento Remoto em nível Suborbital e Orbital; Sistema de Posicionamento por Satélites (GPS); Sistemas de Informação Geográfica (SIG)

Horário

Das 8h às 12h – Conceitos teóricos
Das 13h às 17h – Coleta de Dados no Campus da Unesp
Das 17h30 às 21h30 – Transferência dos Dados coletados para o Software TrackMaker.

Carga horária

12 horas

Investimento

Estudantes: R$ 200,00 (vagas esgotadas)
Profissionais: R$ 250,00 (últimas vagas)
Dividimos em 2 parcelas.

Informações e inscrições

Setor de Eventos – FUNEP
Tel: (16) 3209-1300 – Fax: (16) 3209-1303
E-mail: eventos@funep.fcav.unesp.br
Site: www.funep.fcav.unesp.br/eventos

Compartilhe esta postagem nas redes sociais