Mudar a cara da caprinocultura no semi-árido do Piauí, melhorando a qualidade dos rebanhos, é uma das principais metas da Embrapa Meio-Norte para os próximos quatro anos. A história dessa nova era começou a ser escrita no dia 07 de dezembro, com a inauguração do Núcleo de Melhoramento Genético de Caprinos, no município de São João do Piauí, a 486 quilômetros ao sul de Teresina.

Na mesma solenidade foi lançado o Programa de Introdução e Avaliação de Culturas Alternativas para Áreas Irrigadas do Semi-Árido do Piauí, com o plantio de mudas de oliveiras. Esse projeto piloto, que terá um orçamento de R$ 2 milhões, financiado pela CODEVASF, será desenvolvido no primeiro ano com 60 matrizes e 18 reprodutores da raça Anglo-Nubiana. O núcleo funcionará na base experimental da Embrapa, numa área de 1.800 hectares. Nos próximos anos a ação avança com cruzamentos entre as raças Anglo Nubiana e as nativas Marota e Azul.

Pelo menos 30 famílias dos assentamentos Saco Curtume e Marrecas serão beneficiadas nessa primeira etapa com a ação. Elas vão receber treinamento sobre técnicas de manejo nutricional, sanitário, reprodutivo e em gestão financeira. O gestor do núcleo é o pesquisador Geraldo Magela Côrtes Carvalho, que é zootecnista e doutor em ciência animal.

O Brasil tem um rebanho de 9,5 milhões de cabeças de caprinos, segundo estimativa de 2003 feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. A Bahia, com 3,5 milhões de cabeças, lidera o ranking. Pernambuco é o segundo colocado com 1,5 milhão de cabeças. O estado do Piauí está em terceiro lugar com 1,4 milhão de cabeças.

Fernando Sinimbu
Embrapa Meio-Norte
www.cpamn.embrapa.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais – EPAMIG, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, promove nos dias 8 e 10 de dezembro o seminário e quot;Desenvolvimento Sustentável e a Atividade Mineradora na Zona da Mata Mineira e quot;.

O objetivo do evento, que tem a parceria da Associação Mineira de Escolas Famílias Agrícolas (AMEFA), da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (FETAEMG) e da Universidade Federal de Viçosa (UFV), é debater com agricultores familiares, lideranças comunitárias, representantes do poder público e técnicos, algumas tecnologias para o processo de desenvolvimento da agricultura na Zona da Mata em meio ao processo de mineração, cada vez mais crescente na região.

Serão abordadas formas de assegurar a preservação dos recursos naturais tendo em vista a agroecologia e o desenvolvimento sustentável. A idéia da realização deste seminário partiu da necessidade de discussão com os agricultores do entorno da Serra do Brigadeiro sobre o crescimento da mineração, especialmente a exploração da bauxita, prática que acontece há cerca de 20 anos, mas que anteriormente se restringia à apenas alguns municípios da região.

O grande problema, segundo especialistas, é a aproximação dessa atividade exploradora da maior unidade de conservação de Mata Atlântica de Minas Gerais, o Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. Com o seminário, os agricultores poderão trocar experiências visando à diminuição da degradação ambiental; planejar estratégias para assegurar o desenvolvimento sustentável frente à mineração na região e, também, manter o controle sobre políticas públicas. O seminário é coordenado pelo pesquisador Joaquim Dias Nogueira, do Centro Tecnológico da Zona da Mata.

PROGRAMAÇÃO

8 de dezembro de 2005

08h00 – Recepção e Inscrições

09h00 – Abertura

10h00 – PAINEL 1
AGRICULTURA FAMILIAR, AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

11h30 – Debate

12h00 – Almoço

14h00 – Painel 2
EXPERIÊNCIAS PRÁTICAS EM PESQUISAS E/OU DESENVOLVIMENTO COM ENFOQUE EM AGRICULTURA FAMILIAR, AGROECOLOGIA E/OU DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

  • 14h00 – 14h25 – AMEFA
  • 14h25 – 14h50 – FETAEMG
  • 14h50 – 15h15 – ARTR-ZM
  • 15h15 – 15h40 – Reginaldo Amaral/EPAMIG
  • 15h40 – 16h00- Café
  • 16h00 – 16h25 – Paulo César Lima/EPAMIG
  • 16h25 – 16h50 – Helton Nonato de Souza/CTA-ZM
  • 16h50 – 17h15 – CEPEC
  • 17h15 – 18h00 – Debates

9 de dezembro de 2005

08h00 – Painel 3
PROCESSOS DE INTERVENÇÃO RECENTES NA ZONA DA MATA: TRAJETORIA E PERSPECTIVAS

  • 08h00 – 09h00 – Consolidação do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro
  • 09h00 – 09h40 – Programa de Desenvolvimento Territorial Sustentável da Serra do Brigadeiro

09h40 – Café

10h00 – Empreendimentos de Mineração de Bauxita na Zona da Mata

11h30 – Debate

12h30 – Almoço

14h00 – O processo de mineração no entorno da Serra do Brigadeiro: a visão dos agricultores

14h50 – Discussão

15h30 – Café

15h50 – Grupos de discussão: As diferentes visões do processo de Desenvolvimento Sustentável e as ações das mineradoras na região

16h50 – 18h00 h – Plenária – Apresentação do relato dos grupos

10 de dezembro de 2005

08h00 – Grupos de discussão: construindo estratégias para assegurar o Desenvolvimento Sustentável na Serra do Brigadeiro e Entorno.

09h30 – Café

09h50 – Plenária – Apresentação do relato dos grupos

11h20 – Encaminhamentos finais e encerramento

12h00 – 14h00 – Almoço

Rose de Oliveira
Ascom – Epamig
www.epamig.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O presidente da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Baldonedo Arthur Napoleão, acaba de ser eleito à vice-presidente do Conselho Nacional dos Sistemas Estaduais de Pesquisa Agropecuária – Consepa, que congrega todas as Empresas Estaduais de Pesquisa Agropecuária (Oepas) do País.

A eleição terminou, agora há pouco, em Brasília. A atual diretoria foi eleita em assembléia geral realizada em março deste ano, para o biênio 2005-2007. Mas o presidente do Consepa, Onaur Ruano, renunciou ao mandato para assumir cargo no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, em Brasília. Assumiu a presidência do Conselho o vice-presidente, Antônio Félix da Costa, de Pernambuco.

Nesta terça-feira foi realizada a 32ª reunião ordinária, em Brasília. Durante a reunião, aconteceu a eleição do vice-presidente do Consepa. Participaram os presidentes das OEPAS de 17 Estados e, por unanimidade, o presidente da Epamig, Baldonedo Napoleão, foi eleito.

Segundo Baldonedo, e quot;o resultado desta eleição significa para a Epamig, sem dúvida nenhuma, o reconhecimento do trabalho que a Empresa vem fazendo. A Epamig, que atua alinhada com o Governo Aécio Neves, é, cada vez mais, reconhecida no País. A Epamig vem de um período de muita dificuldade e este resgate do perfil da Empresa vem tendo reconhecimento, como esta vice-presidência deste órgão nacional, que mantém convênios com órgãos do Governo Federal visando o desenvolvimento técnico e institucional dos órgãos estaduais de pesquisa agropecuária. Minas ganha com esta representação e quot;, diz Baldonedo.

O Consepa é uma sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos. Tem sede e foro em Brasília-DF, com jurisdição em todo território Nacional. Tem como objetivos:

Representar e defender os interesses e direitos dos Sistemas Estaduais de Pesquisa Agropecuária, no terreno técnico-científico, econômico e político institucional;

Intercâmbio de conhecimento técnico-científico entre as Empresas Estaduais e outras entidades de Pesquisa Agropecuária, visando o crescimento harmônico das instituições;

Contribuir para o aperfeiçoamento da legislação atinente;

Colaborar com os poderes públicos e entidades privadas de âmbito regional, nacional e internacional, como órgão técnico e consultivo, no estudo de assuntos e solução de problemas que se relacionam com seus objetivos.

Rose de Oliveira
Ascom – Epamig
www.epamig.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Web:

www.cnra.com.br

Contato:

Departamento Comercial

EMail:

comercial@cnra.com.br

DDD e Telefones:

(43) 3329-0015

Descrição:

A Rastreabilidade é hoje uma exigência dos mercados internacionais para a comercialização de qualquer tipo de carne bovina, especialmente na Europa. Este processo deve ser feito por uma empresa confiável e idônea.

A CNRA tem como prioridades oferecer essa confiabilidade, credibilidade e também um atendimento diferenciado aos seus clientes, que vai além das necessidades comerciais.

Através de pesquisas mercadológicas, investigamos a fundo cada fator envolvido no processo produtivo, proporcionando, ao nosso cliente, uma relação duradoura que soma Serviços de Qualidade e Benefícios Crescentes.

A CNRA conta com profissionais de excelente formação acadêmica, bem preparados e especializados em atender – exclusivamente – o segmento agropecuário.

Visite nosso site!
Atendemos em todo território nacional.

Empresa:

CNRA

Razão Social:

Companhia Nacional de Rastreabilidade Animal

CNPJ:

06.972.832/0001-01

Compartilhe esta postagem nas redes sociais