Os exportadores devem ficar atentos aos tratamentos exigidos para não correrem o risco de terem sua mercadoria rechaçada no país de destino

A Associação Brasileira das Empresas de Tratamento Fitossanitário e Quarentenário (Abrafit) informa que, após reunião realizada em abril deste ano na sede da FAO, em Roma, pela Comissão de Medidas Fitossanitárias, da Convenção Internacional de Proteção dos Vegetais, a Norma Internacional de Medidas Fitossanitárias no. 15 (NIMF 15) sofreu alteração na tabela de concentração de Brometo de Metila.

e quot;A alteração que acaba de entrar em vigor determina que o tempo mínimo de exposição das embalagens e suportes de madeira ao gás Brometo de Metila, que antes era de 16 horas, passa a ser de 24 horas. Os exportadores devem ficar atentos aos tratamentos exigidos pela NIMF 15 e também para essa mudança, para não correrem o risco de terem sua mercadoria rechaçada no país de destino e quot;, explica Marco Bertussi, presidente da Abrafit.

Segundo Odilson Ribeiro, Diretor do Departamento de Assuntos Sanitários e Fitossanitários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que participou do encontro, essa alteração na tabela tem um aspecto bastante positivo. e quot;Essa mudança permitirá um controle mais efetivo das pragas que podem ser disseminadas via embalagens de madeira e quot;.

A NIMF15 foi editada em marco de 2002 pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a Agricultura e Alimentação (FAO), com o objetivo de facilitar o processo de certificação fitossanitária das embalagens e suportes de madeiras com o uso de marca reconhecida internacionalmente, indicando que o material foi submetido ao Tratamento por Fumigação com Brometo de Metila (MB) ou Tratamento Térmico (HT), recomendados para eliminar os organismos vivos presentes nas embalagens e suportes de madeiras utilizados no trânsito internacional de mercadorias.

Entre os países que já adotaram a NIMF 15 estão África do Sul, Argentina, Áustria, Bolívia, Bulgária, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, Egito, Equador, EUA, Filipinas, Guatemala, Honduras, Índia, Jordânia, México, Nicarágua, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Suíça, Taiwan, Turquia, Venezuela, União Européia e Brasil através da Instrução Normativa no. 4, que foi editada em caráter emergencial, em janeiro de 2004, para atender ao principio de reciprocidade entre os países que já adotaram a Norma de forma definitiva.

A Abrafit informa que é uma entidade de âmbito nacional, sem fins lucrativos, que congrega empresas especializadas de tratamento fitossanitário e quarentenário registradas no Ministério da Agricultura e juridicamente habilitadas para a execução de tratamentos fitossanitários e quarentenários, em qualquer de suas modalidades. Sua missão é representar os interesses das empresas associadas, promover o desenvolvimento técnico-operacional do setor, dentro dos princípios de preservação do meio ambiente, e colaborar com o Ministério da Agricultura e demais órgãos nos assuntos referentes à barreira fitossanitária e tratamentos fitossanitários e quarentenários.

Fonte

Suggestiva Comunicação
Juliana Lopes – Jornalista
E-mail: suggestiva@suggestiva.com.br
Internet: www.suggestiva.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Web:

www.cpafac.embrapa.br

Contato:

Soraya Pereira

EMail:

soraya@cpafac.embrapa.br

DDD e Telefones:

(68) 3212-3200

Início:

10 / 07 / 2006

Término:

11 / 07 / 2006

Descrição:

De 10 a 11 de julho, a Embrapa Acre (Rio Branco-AC) sediará o Workshop Internacional sobre Prevenção e Controle da Contaminação da Castanha-do-Brasil por Aflatoxinas. O evento reunirá pesquisadores, técnicos, produtores e empresários do Acre, Pará, Amazonas, Bolívia e Peru para discutir as metodologias de produção adotadas em cada região que atendem aos padrões internacionais de sanidade e acesso a mercados.

Na seqüência, pesquisadores de várias instituições se reunirão, de 12 a 14 de julho, para desenhar estratégias de incentivo a programas de boas práticas e formas de estreitar a articulação entre setores público e privado para consolidar o agronegócio da castanha-do-brasil.

O workshop está sendo organizado pelo Programa de Desenvolvimento de Padrões e Mercado (STDF), que é mantido pela FAO (Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), OIE (Organização Mundial para Saúde Animal), Banco Mundial, WHO (Organização Mundial de Saúde) e WTO (Organização Mundial do Comércio).

Em março, a Embrapa Acre em conjunto com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), CIRAD (Centre de Cooperátion Internationale em Recherche Agronomique Pour lê Developpement/ França), CSL (Centre Science Laboratory/Inglaterra) e o NFA (National Food Administration/Suécia) aprovaram um projeto junto ao STDF para validar e transferir tecnologias para um sistema de manejo efetivo e sustentável de prevenção e controle de aflatoxinas.

A proposta foi desenhada com base na experiência acumulada no Seringal Porvir, em Brasiléia (AC), onde pesquisadores e extrativistas montaram um sistema de manejo, identificaram os principais pontos de contaminação e implementaram processos que garantem a qualidade do produto e a comercialização com preços diferenciados.

De acordo com a pesquisadora Lúcia Wadt, da Embrapa Acre, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Mapa, as parcerias com o Governo do Estado, Sebrae, Ecoamazon e cooperativas como Capeb, Caex e Cooperacre, permitiram que mais de 200 produtores adotassem o sistema no Acre. Agora chegou a hora de incorporar o monitoramento da qualidade da castanha comercializada por essas famílias e expandir as fronteiras comerciais. O workshop será uma das primeiras iniciativas nesse sentido.

A aflatoxina é uma toxina produzida por fungos do gênero Aspergillus que em altas concentrações tem efeitos carcinogênicos e genotóxicos em seres humanos. Trata-se do maior obstáculo na comercialização da castanha-do-brasil.

Outras informações

Programação
Internet: www.cpafac.embrapa.br

Pesquisadora
Cleisa Cartaxo Brasil
Telefones: (68) 3212-3260 ou (68) 3212-3200
E-mail: cleisa@cpafac.embrapa.br

Organização Responsável:

Embrapa Acre

CNPJ:

00348003006828

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Maior evento da América Latina para o setor discute problemas ambientais e sociais que têm soluções por meio do uso da geoinformação

20802.jpgO maior evento de geoinformação da América Latina, o GeoBrasil Summit, organizado e promovido pela Alcantara Machado, que ocorre de 18 a 20 de julho, no Centro de Exposições Imigrantes, apresenta os últimos lançamentos na área da geoinformação e muito mais.

Além de discutir o georreferenciamento de imóveis rurais, monitoramento de queimadas e crimes ambientais, redes de distribuição de energia e saneamento, exploração petrolífera, melhor utilização da bacia hidrográfica, entre outros assuntos, neste ano a novidade do evento é o GEOCidades ? 1° Seminário Internacional de Geoinformação para Gestão de Cidades ? que vem de encontro com as necessidades atuais dos municípios ?, uma vez que a geoinformação tem sido decisiva para a vida das pessoas e está agregada às políticas públicas e também na área privada, quantificando e qualificando iniciativas e seus impactos no meio ambiente e sociedade.

Dominar a geoinformação significa garantir um diferencial econômico em diversos projetos, que vão desde um simples cadastro de consumidores até a logística de veículos, o controle do meio ambiente e o planejamento de cidades e de redes de infra-estrutura.

O GEOBrasil Summit engloba ainda a sétima edição do GEOBrasil ? Congresso e Feira de Geoinformação, o Expo GNSS ? Congresso e Feira Internacional de Posicionamento e Navegação por Satélite e o GEO Óleo e Gás ? Seminário e Exposição Internacional de Geotecnologias para Petróleo e Gás.

O conjunto de eventos tem como objetivo reunir as principais lideranças do setor de geotecnologias para apresentar e discutir as novidades e integra-las às ferramentas modernas de bancos de dados, internet e gestão empresarial para o monitoramento de projetos, racionalização de recursos e cumprimento de metas para o uso corporativo.

Especialistas renomados como o diretor da Microsoft-Vexcel, Franz Leberl, e o chefe de tecnologia do Google Earth, Maps and Local, Michael Jones já confirmaram presença como palestrantes no GEOBrasil Summit 2006. Leberl abordará o uso da câmera fotográfica digital aerotranspostada, desenvolvida pela Vexcel, recentemente comprada pela Microsoft para dar suporte ao programa Virtual Earth, que vem concorrer com o Google Earth. O palestrante também falará sobre as novidades da companhia para a área de mapas virtuais.

Já Jones apresentará uma palestra que traz como tema o impacto das imagens de satélite e mapas virtuais no mercado da geoinformação, além de falar sobre as novidades que a companhia prepara para essa área.

Outros temas como o processo eleitoral, localização de pessoas e veículos, novos modos de ensinar geografia nas escolas e muitos outros assuntos serão abordados nas diversas palestras e mini-cursos (tutoriais) ministrados por renomados especialistas de empresas e entidades como AES Eletropaulo; Sabesp; Caixa Econômica Federal; Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE); Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA); entre outros.

Setores da feira

Equipamentos ? GPS (Global Positioning System), GLONASS (Globalnaya Navigatsionaya Sputnikovaya Sistema), GALILEO, estações robotizadas, níveis, estações fotogramétricas, computadores embarcados, lasers, sensores aéreos e terrestres e acessórios;

Hardwares ? Scanners, impressoras e plotters de grande formato e precisão e coletores de dados e PDAs;

Dados ? Imagens de satélite, mapas, cadastros e DTM;

Softwares ? GIS, bancos de dados, processamento e compreensão de imagens, produção cartográfica, visualizadores, modelagem de dados, navegação e roteirização;

Serviços ? Conversão de dados, mapeamento, cadastramento, levantamentos topográficos e geodésicos, consultoria, treinamento, monitoramento, rastreamento, navegação e serviços de localização (ASP, AVL e LBS), geomarketing, business intelligence, agricultura de precisão, implantação de projetos de GIS corporativo e soluções especialistas de emergência e segurança.

Áreas envolvidas

Infra-Estrutura; Meio Ambiente; Mineração; Agronegócios; Administração Pública; Imobiliária; Financeira; Inteligência de Mercado; Seguros; Varejo; Segurança; Logística; Supply Chain; Defesa Civil; Engenharia; Marketing; Mídia; Transporte; Saúde; Telecomunicações; Saneamento; Pesquisa; Energia Elétrica; Ensino; entre outros.

Serviço

GEOBrasil 2006
ExpoGPS – Galileo / GEOInteligência / GEO Óleo e Gás / GEO na Escola / ExpoLBS

Data: 31 de maio a 2 de junho 2005
Hora: 12h às 19h
Local: Centro de Exposições Imigrantes
Endereço: Rod. dos Imigrantes – km.1,5

Mais informações: www.geobr.com.br.

Fonte

Alcantara Machado
Gerência de Comunicação
Gefferson Eusébio – Jornalista
E-mail: geffersonemj@alcantara.com.br
Internet: www.alcantara.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Embrapa Rondônia, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, desde 10 de julho de 1975 vem viabilizando soluções tecnológicas nas áreas de produção animal, florestal e de culturas anuais, visando disponibilizar um conjunto de informações que permita a implantação de sistema de manejo sustentável da floresta, conciliando geração de renda e preservação ambiental.

20806.jpgFoto: Vista parcial da sede da Embrapa Rondônia em Porto Velho (RO)

Para realizar suas ações com sucesso, o Centro de Pesquisa conta com a parceria de instituições governamentais e não-governamentais. A Embrapa Rondônia concentra seus esforços no desenvolvimento de tecnologias para o aumento da competitividade do agronegócio local. Atualmente estão sendo conduzidas pesquisas com melhoramento genético da soja e da melancia, seleção de clones promissores de café conilon, seleção de variedades de arroz, milho, soja e banana.

Na sede da Unidade, em Porto Velho, encontram-se também os principais laboratórios, como os de Solos e Nutrição de Plantas, Bromatologia, Sanidade Animal, Entomologia, Fitopatologia e de Sementes, além da biblioteca, instalações para videoconferências interativas, rede de acesso à internet e de comunicação de dados, salas de reuniões e auditório.

Nela localizam-se, também, as áreas administrativas, de serviços de suporte à pesquisa, dos próprios pesquisadores e de profissionais responsáveis pela transferência de tecnologia, envolvendo relacionamento com clientes, negócios tecnológicos e comunicação social. Possuem também cinco campos experimentais, localizados nos municípios de Porto Velho, Ouro Preto d´Oeste, Presidente Médici, Vilhena e Machadinho d´Oeste.

No Campo Experimental de Porto Velho são desenvolvidas pesquisas com pecuária leiteira, pastagens, culturas anuais – arroz, feijão, milho e melancia ? essências florestais, pupunha e cupuaçu. No de Ouro Preto d´Oeste os trabalhos estão voltados para espécies florestais, milho, arroz, feijão, cana-de-açúcar, sendo o foco principal as pesquisas com a cultura do café , tanto do grupo Robusta quanto do Arábica, selecionando e multiplicando clones para melhoria da qualidade e produtividade no Estado.

Em Machadinho d´Oeste concentra-se os trabalhos com sistemas agroflorestais, com espécies nativas e outras adaptáveis, além de trabalhos com café. No Campo Experimental de Presidente Médici estão sendo conduzidos trabalhos com espécies forrageiras e bubalinocultura e, no de Vilhena, pesquisas de melhoramento genético das culturas da soja, milho, arroz e algodão, avaliando genótipos para posterior indicação dos materiais mais adaptados e produtivos para Rondônia.

Em convênio com o INMET e a Secretaria de Desenvolvimento e Meio Ambiente (SEDAM), estão implantadas estações meteorológicas em Porto Velho e em Vilhena, onde são coletados dados climatológicos. Em Machadinho do Oeste a Unidade, existe uma estação que fornece dados climáticos direto para o Reino Unido.

Os interessados em obter mais informações sobre os trabalhos desenvolvidos pela Embrapa Rondônia podem acessar o site www.cpafro.embrapa.br ou entrar em contato pelo e-mail: sac@cpafro.embrapa.br ou pelo telefone (69) 3225-9387, junto à Área de Comunicação e Negócios.

Fonte

Embrapa Rondônia
31 anos de pesquisas, parcerias e resultados!
Daniela Garcia Collares – Jornalista
E-mail: daniela@cpafro.embrapa.br
Quetila Ruiz – Estagiária
Internet: www.cpafro.embrapa.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais