O recente anúncio de contingenciamento no orçamento do Ministério da Educação em 2011 gerou preocupação aos brasileiros e não poderia ser diferente. O anúncio chegou num contexto de inúmeras conquistas, comemoradas por todos, e que mudaram o cenário da Educação Superior no País. O que acontecerá a partir de agora? É o que muitos se perguntam. Acreditamos, porém, que não é momento para incertezas e reforçamos a confiança nos rumos da educação. Confiança retomada nos últimos oito anos, quando a Educação Superior pública brasileira experimentou um salto positivo, com enorme crescimento no número de matrículas e de formandos, possibilitando, portanto, a inclusão de vários milhares de jovens, Brasil afora, que conseguiram ingressar nas Universidades.

Dentre os principais avanços realizados, é importante destacar o Reuni (Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais), que possibilitou o desenvolvimento com interiorização das universidades federais; e a criação de 14 novas instituições federais, 126 campi no interior, 38 institutos federais, 140 unidades de educação profissional e 587 polos de apoio para ensino à distância. Também testemunhamos o ingresso de 800 mil jovens em instituições de ensino superior, através do Prouni (Programa Universidade Para Todos). Todas essas conquistas e a necessidade de continuarmos consolidando e avançando na melhoria da educação brasileira só fortalecem os ideais daqueles que lutam, diariamente, por uma educação pública de qualidade.

Com esse sentimento, o Conselho Pleno da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) discutiu e aprovou, por unanimidade, proposição de minha autoria para manifestar a certeza de que a Presidenta da República, a Ministra do Planejamento Orçamento e Gestão, o Congresso Nacional e a sociedade brasileira não permitirão que venham a ocorrer cortes ou contingenciamentos nos orçamentos das áreas de Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação e de que os compromissos assumidos pelo Governo Federal serão integralmente cumpridos.

A proposição, aprovada na íntegra em Reunião no dia 24 de fevereiro de 2011, reforça a convicção na ampliação, pela Presidenta, Ministros, Governadores de Estados e Prefeitos, dos recursos destinados à educação pública, ainda nesse ano, considerando sua dimensão estratégica para o desenvolvimento nacional. A continuidade das políticas de crescimento das universidades federais, como preconiza o senhor Ministro da Educação, permitirá avanços reais visando à superação do hiato de cobertura educacional do qual é vítima a juventude brasileira.

A posição pública manifesta concretamente a preocupação que o Brasil continue avançando, sem vacilos ou cochilos, para termos uma nação com mais justiça social, desenvolvimento e altivez perante o mundo. Essa é uma luta e uma confiança que deve ser de todos.

AUTORIA

João Carlos Brahm Cousin
Reitor da Universidade Federal do Rio Grande (Furg)

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.