Projeções do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) indicam perspectivas positivas para o agronegócio brasileiro nos próximos dez anos. Além da ampliação das lavouras e do crescimento da produção de grãos, também é destaque o aumento da produção de carnes, em especial o frango, como explica o coordenador de Planejamento Estratégico, do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques. Fonte: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O intenso uso das redes sociais para expressar apoio político nestas eleições e o acirramento das tensões devido à proximidade do segundo turno, marcado para o próximo domingo (26), têm afetado amizades e relações familiares. Uma usuária do Twitter resumiu a situação em um post que lhe rendeu mais de 17 mil curtidas: "gente, quem perdeu família ou amigos por causa dessa eleição vamos combinar de passar o Natal juntos".

Pesquisa Datafolha divulgada no dia 22 de outubro mostrou aumento no índice de pessoas que disseram ter interesse nas eleições. Dos 4.355 entrevistados, 50% responderam que têm interesse no pleito. No fim de agosto, essa porcentagem era 39%. Esse crescimento também influencia no aumento da circulação de vídeos, textos e até mesmo ofensas nas redes sociais.

A gerente de comunicação digital Glaucimara Silva deixou de seguir e de visualizar publicações de várias amigos no Facebook. Em casos mais graves, em que houve preconceito ou discurso de ódio, ela desfez a amizade na rede social. "As pessoas se revelam muito nesse momento", diz. Ela acredita que, por estarem protegidas por um computador, "as pessoas se sentem mais à vontade para falar coisas que não falariam cara a cara".

Apesar de a maior parte das amizades desfeitas serem de amigos apenas de Facebook, Glaucimara chegou a se afastar de uma amizade na vida real. "Um amigo muito próximo parou totalmente de conversar comigo porque considerou que temos uma visão política muito diferente e por isso não temos mais nada em comum", conta.

A assessora de imprensa Juliana Carvalho decidiu encerrar as contas nas redes sociais até o fim das eleições. "Estava virando um ringue para mim, eu via as pessoas extremamente irritadas e xingando umas às outras."

Para o sociólogo e pesquisador da Universidade de Brasília (UnB) Marcello Barra, a proporção a que chegaram as discussão nas redes sociais nestas eleições é algo inédito. "No grau que assume é realmente uma coisa que aparentemente é inedita e tem correlação imediata com a disputa [eleitoral], uma disputa muito acirrada."

Ele explica que as redes apresentam um grau de politização muito mais avançado diante de outros meios de comunicação, como a televisão ou o rádio. "Permitem não só a expressão de vários assuntos que vão além da política, como a política é tratada muito intensamente, discutida numa base diária. Isso é muito relevante para a democracia", destaca.

O mestre em direito pela UnB e ciberativista Paulo Rená também considera a discussão nas redes positiva, mas alerta para o discurso de ódio e para os crimes cometidos pelos usuários que, muitas vezes, saem ilesos a comentários racistas ou de preconceito regional.

"Acho importante que as pessoas entendam que não é porque estão na internet que o discurso de ódio está liberado. Eisso não é nenhuma restrição à liberdade de expressão", diz. "Aquelas condutas inadequadas e eventualmente criminosas que eram feitas em ambientes privados, que eram feitas dentro de casa, agora passam a ocorrer também em ambientes públicos. Não tem nenhuma restrição para que esse comportamento inadequado seja punido aconteça ele na internet ou em qualquer lugar."

Rená orienta aqueles que se sentirem agredidos a, dependendo do nível da ofensa, procurarem uma delegacia de polícia e registrarem boletim de ocorrência ou recorrerem à Justiça. O Ministério Público também pode atuar no combate a discursos preconceituosos a determinados grupos.

Fonte: Agência Brasil
Mariana Tokarnia – Repórter
Lílian Beraldo – EDição

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O Ministério da Educação (MEC) reconheceu, ontem (23/10/14), 43 cursos superiores de instituições públicas e privadas de vários estados do país. A lista foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), em portaria da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, responsável pelo processo de credenciamento. Clique aqui para acessar.

Os diplomas emitidos pelas instituições de ensino superior só têm validade se os cursos tiverem o reconhecimento do MEC.

Entre os cursos reconhecidos estão o de engenharia de produção, da Universidade Federal de Goiás (UFG); o bacharelado em fisioterapia, da Universidade Federal do Pará (UFPA); e o de sistemas de internet, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Também foram reconhecidos cursos de institutos federais de tecnologia (IFTs), como o de enfermagem do IF do Paraná; e o de matemática no IFT do Espírito Santo.

Fonte: Agência Brasil
Marcos Chagas – EDição

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A internet proporciona uma maior facilidade no contato entre alunos e instituições de ensino. As Moocs – cursos abertos massivos, na sigla em inglês – vêm facilitando essa interação e oferecendo aulas para estudantes que, no passado, não teriam essa oportunidade. No estúdio, Paulo Lemos, professor da Unicamp e desenvolvedor de um curso de empreendedorismo na internet; Carlos Souza, sócio fundador do Veduca; e, pela internet, Tatiana Klix, jornalista do Porvir. Fonte: Canal Futura

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Ideias e projetos inovadores concorrem a R$ 900 mil, missão técnica internacional e cursos de educação executiva. Os vencedores serão conhecidos em maio de 2015, em cerimônia a ser realizada em São Paulo

Começaram no dia 22 de outubro, e vão até 7 de dezembro de 2014 as inscrições para o Prêmio Nacional de Inovação Edição 2014/2015. Podem concorrer empresas de micro, pequeno, médio e grande portes de todo o Brasil que disputarão R$ 900 mil pré-aprovados no Edital Senai SESI de Inovação, além de missão técnica internacional e cursos de educação executiva. Os projetos devem ser inscritos exclusivamente pela internet, no site do Prêmio. Os vencedores serão anunciados em cerimônia em maio de 2015, em São Paulo.

O Prêmio Nacional de Inovação é uma iniciativa da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Movimento Brasil Competitivo (MBC). "A capacidade de inovar é fundamental para mostrar como a inovação eleva os lucros e se converte em crescimento econômico e mais oportunidades para o país", destaca a diretora de Inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Gianna Sagázio.

Para o presidente do Conselho Superior do MBC, Elcio Anibal de Lucca, o Prêmio consolida um movimento em busca da inovação, ativo chave para gerar competitividade. "As empresas que desejam se manter competitivas no mercado devem ser capazes de se reinventar à velocidade demandada pelos novos anseios e necessidades da população. Por isso a importância de reconhecer iniciativas que valorizam ideias e soluções criativas no setor industrial brasileiro", afirma Lucca.

"Até pouco tempo, havia o mito de que investir em tecnologia era algo caro e restrito a grandes empreendimentos. Buscamos desmistificar a concepção que alguns empreendedores têm de que inovação exige altos recursos ou que se limita a equipamentos tecnológicos. A inovação em processos de gestão ou controle de desperdício pode levar, por exemplo, a uma maior produtividade e redução de custos", completa o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

Nas três últimas edições de Prêmio, houve expressivo crescimento do número de projetos inscritos — prova de que a inovação se consolida como principal instrumento de conquista de novos mercados. Em 2011, foram 427. Em 2012, 981. Já no ano passado, foi registrado um recorde: 2022 inscrições.

Categorias

O Prêmio Nacional de Inovação tem o apoio do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). As empresas podem concorrer em quatro categorias.

* Gestão da Inovação — busca reconhecer métodos, técnicas e ferramentas de gestão da inovação que estabeleçam um ambiente propício ao desenvolvimento de projetos inovadores.

* Inovação Tecnológica — valoriza projetos de produtos ou processos que contribuem para o aumento dos níveis de competitividade da empresa.

* Inovação em Modelo de Negócio — premia a forma como projetos são levados ao mercado a fim de aprimoramento de modelos de negócio capazes de gerar impactos na empresa.

* Agente Local de Inovação — direcionada às micro e pequenas empresas atendidas pelo Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) do Sebrae nos setores de indústria, comércio e serviço.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Estão abertas as inscrições de concursos para docentes da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Com um total de 63 vagas, o concurso iniciou suas inscrições no dia 14 de outubro de 2014 e oferece vagas para Maceió, Arapiraca e Sertão. Para se inscrever os candidatos devem acessar o site da Copeve até às 12 horas do dia 3 de novembro, entrar em seu login e realizar a inscrição online. Estão sendo oferecidas 29 vagas para o Campus A.C. Simões, em Maceió e 34 vagas destinadas aos campi Arapiraca e do Sertão.

As áreas de estudo, classes (adjunto ou assistente) e a distribuição detalhada das vagas, além do programa para as provas escrita e didática também podem ser conferidas nos editais. Os pedidos de inscrições, atenção, devem feitos por cargo, área de estudo e regime de trabalho, conforme as informações disponíveis aqui: edital do concurso para docentes do Campus Maceió e edital para docente do Campus Arapiraca e Sertão.

As inscrições só serão consideradas válidas depois que a taxa de inscrição estiver devidamente paga na forma e nos prazos estabelecidos nos editais. Para obter outras informações, além dos editais acima, os interessados podem entrar em contato com a Pró-reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho (Progep) no (82) 3214-1032.

Fonte: Universidade Federal de Alagoas
Dilson Fidelis — Estudante de Jornalismo

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Áreas de instabilidade voltam a crescer sobre o Sudeste (SE) e o Centro-Oeste (CO) do Brasil, sem o bloqueio atmosférico e com a maior disponibilidade de umidade. A meteorologista Josélia Pegorim da Climatempo explica o que vai acontecer quando uma grande frente fria chegar ao país no início do mês de novembro.

Fonte: TV Climatempo

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O Sudeste e o Centro-Oeste do Brasil estão enfrentando uma situação atípica. Um forte bloqueio atmosférico impediu a entrada das frente frias que trariam chuva entre a primavera de 2013 e o verão de 2014. Como consequência estamos enfrentando a pior seca já registrada nas Regiões. Os especialistas Tércio Ambrizzi e a Maria Assunção falam sobre as possíveis causas desta estiagem e a relação com as mudanças climáticas. Fonte: TV Climatempo

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O bioma Cerrado é a segunda maior formação vegetal do Brasil, ocupando 25% do território nacional. Sua savana tropical é uma das mais ricas do mundo, com mais de 6 mil espécies conhecidas e catalogadas de aves, répteis, anfíbios, mamíferos e insetos. Para falar sobre o assunto, o Conexão Ciência recebe o professor da Universidade de Brasília (UnB), José Roberto Pujol Luz. Fonte: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Com o objetivo de dar maior transparência sobre destino dos impostos pagos pela população, uma lei determina que as empresas informem ao cidadão o valor dos tributos embutidos no preço de produtos e serviços. Os números devem ser detalhados a partir da cobrança feita pelos governos federal, estadual e municipal. Para ajudar os empresários a se adequarem a nova lei, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), desenvolveu uma ferramenta que calcula o total de impostos de cada produto e detalha qual parcela é destinada a União, aos estados e aos municípios. Entenda na matéria Da Redação da TV NBR. Fonte: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais