A partir de agora, a autorização de viagem internacional para crianças e adolescentes, desacompanhados ou com apenas um dos pais, é registrada no passaporte. O objetivo é agilizar e facilitar a vida dos viajantes. Para inserir a autorização, os pais devem ir, apenas uma vez, ao cartório com a Certidão de Nascimento e a autorização impressa. Os dados ficarão registrados no sistema da Polícia Federal e será preciso realizar o procedimento novamente para a próxima viagem. Passaportes brasileiros passam a ter validade de dez anos

A validade dos passaportes brasileiros foi ampliada de cinco para dez anos. A regra vale para documentos comuns, oficiais e diplomáticos, e para as carteiras de matrícula consular que ainda serão emitidos. Quem tem o passaporte comum antigo, que é verde, pode continuar usando o documento até a data do vencimento, que não vai ser alterada. Equem quiser solicitar o novo, não precisa esperar terminar a validade do antigo. A taxa para fazer o passaporte é de R$ 156,07. O passo a passo para solicitar o documento está no endereço www.dpf.gov.br.

Fonte: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Uma parcela grande da população brasileira é contra o uso de animais em testes para desenvolver novos remédios. Uma pesquisa feita pelo Datafolha a pedido do Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), entidade de pós-graduação para farmacêuticos, revelou que 41% dos brasileiros "discordam plenamente" dessa prática.

Segundo o levantamento, só 36% concordam plenamente com o uso de animais pela ciência. Outros 18% concordam apenas parcialmente com essa aplicação. Para chegar aos resultados, foram entrevistadas 2.162 pessoas em 134 cidades por todo o país. As entrevistas foram feitas entre 24 e 25 de setembro de 2014.

O debate sobre o uso de animais em pesquisas e no desenvolvimento de produtos veio à tona no país em outubro de 2013, quando ativistas invadiram um instituto de pesquisa em São Roque (SP) e levaram do local animais usados em testes, principalmente cães da raça beagle, alegando suspeitas de que os bichos sofriam maus-tratos.

Para Marcus Vinicius Andrade, diretor de pesquisa do ICTQ, a opinião negativa da população faz com que as indústrias farmacêuticas não queriam associar suas marcas e produtos aos testes com animais. No entanto, isso não inibe de fato os experimentos com animais no país.

"As indústrias avaliam que, uma vez que abrem mão das pesquisas em animais aqui no país, as mesmas se tornam dependentes de tecnologias externas, o que consequentemente encarece o medicamento", afirma Andrade. "Para não encarecer o produto, e também não associar suas marcas a um tema que sofre rejeição em termos de opinião pública, as indústrias terceirizam a pesquisa clínica para institutos e laboratórios especializados."

Ou seja, na prática, os testes com animais são feitos da mesma forma, apenas por outras instituições.

Entre jovens, rejeição a testes é maior — De acordo com o estudo, quanto mais jovem a população, maior é a oposição ao uso de animais em pesquisas. Entre os jovens de 16 a 24 anos, por exemplo, apenas 29% concordam com os testes em animais. Já a partir dos 40 anos de idade, essa parcela passa a ser de 40%.

A opinião também varia conforme a região do país. O Sul registra o menor índice de aprovação em relação aos testes em animais: 32% dos residentes concordam com o procedimento. No Sudeste e no Nordeste, esse índice é de 36%. No Norte e Centro-Oeste, 38% das pessoas aprovam os testes.

Para a pesquisadora Luisa Maria Gomes de Macedo Braga, professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e presidente da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), existe pouco conhecimento por parte da população leiga sobre a importância dos testes com animais para a ciência e para o desenvolvimento de novas drogas. "Se 41% das pessoas são contra o uso de animais em pesquisas, será que elas têm na vida delas uma ausência total de medicamentos, de vacinas? Até para a anticoncepção ainda se usa."

Ela observa que, nos últimos anos, novos métodos alternativos ao uso de animais têm sido desenvolvidos. Em setembro, por exemplo, o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) reconheceu 17 métodos alternativos para o uso na pesquisa brasileira. "Estamos caminhando com uma perspectiva muito boa nesse sentido de atender ao máximo que pudermos sem o uso de animais. E, quando usar, usar de forma bastante ética, parcimoniosa", diz Luisa.

A pesquisadora observa que a preocupação com o bem-estar dos animais faz parte do trabalho dos cientistas. "As pessoas que são contra têm que entender que nenhum pesquisador acha bom eutanasiar um animal. Também nos preocupamos muito com isso, mas temos que melhorar a saúde das pessoas e também dos animais. Muita da experimentação que se faz também reverte em benefício dos próprios animais".

Fonte: Ambiente Brasil

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Universidade de Brasília (UnB) juntamente com a Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), publicaram, somente este ano de 2014, três artigos científicos em reconhecidos periódicos internacionais – Preventive Veterinary Medicine, Emerging Infections Disease e Springer Plus. Os trabalhos científicos publicados reforçaram a importância da fiscalização de bagagens em terminais internacionais de passageiros no Brasil.

Os artigos são produtos de uma parceria com a Universidade de Brasília, resultante do Edital nº 64/2008/Mapa. Como produto, foram realizados estudos científicos para avaliação do risco de introdução de doenças animais e humanas, por meio de produtos de origem animal, transportados em bagagens de passageiros, procedentes de voos internacionais, nos principais aeroportos brasileiros.

Essa parceria permitiu a defesa de várias monografias de conclusão do curso de Medicina Veterinária da UnB, de dissertações de mestrado e teses de doutorado, além da publicação dos artigos.

De acordo com o Fiscal Federal Agropecuário Marcos Eielson Pinheiro de Sá, da Coordenação-Geral do Sistema de Vigilância Agropecuária, os artigos demonstram o reconhecimento pela comunidade científica internacional da importância da fiscalização do Vigiagro. "O conhecimento científico é responsável por promover as transformações sociais e tecnológicas que impulsionam a evolução da sociedade. As universidades têm um importante papel nesse processo, pois além de serem responsáveis pela formação de profissionais, são importantes fomentadores da base científica, necessária para fundamentar as ações fiscalizatórias dos órgãos públicos, no exercício de suas atribuições e competências institucionais", explicou.

Segundo Marcos, um dos principais resultados dos estudos realizados foi a proposição de um anteprojeto de Lei, que está sob análise da Consultoria Jurídica do Ministério da Agricultura. A proposta é aplicar penalidades mais adequadas para as infrações decorrentes do trânsito irregular de produtos agropecuários, já que estes produtos trazidos irregularmente para o Brasil podem representar risco para a agropecuária nacional.

Clique abaixo para conferir os artigos:

Preventive Veterinary Medicine
Emerging Infections Disease
Springer Plus

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Assessoria de Comunicação Social do MAPA
Rossana Gasparini – Jornalista
Telefone: (61) 3218-2461

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Para quem busca aprimoramento na vida profissional, estão abertas as pré-inscrições para os cursos de MBA e especialização do Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração (CEPPAD) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Ao todo, são oito cursos que oferecem uma visão moderna e abrangente da gerência de alto nível, no padrão das melhores escolas de administração do mundo.

Os interessados podem disputar uma vaga nos seguintes cursos: Especialização em Marketing Empresarial, MBA em Finanças, MBA em Gerência de Sistemas Logísticos, MBA em Gestão Estratégica (semipresencial), MBA em Gestão da Qualidade (semipresencial), MBA em Gestão de Talentos e Comportamento Humano, MBA em Inteligência de Negócios e MBA em Marketing, todos em Curitiba (PR).

Instalado em Curitiba, o CEPPAD/UFPR oferece diversas vantagens aos futuros alunos. Entre elas estão uma competente equipe de professores de alta titulação; a estrutura universitária completa e consolidada, com 21 anos de experiência em cursos de pós; diversos convênios internacionais com Estados Unidos e Europa, que proporcionam oportunidades de intercâmbio e aulas com professores estrangeiros renomados; e o estudo de cases brasileiros, voltados à nossa realidade. Outro quesito a ser considerado é ter ao final do curso o certificado fornecido pela UFPR, uma universidade centenária que figura entre as mais respeitadas do país.

As pré-inscrições para o processo seletivo dos cursos devem ser feitas pelo site www.ceppad.com.br, mediante o preenchimento de formulário. O prazo vai até dia 29 de janeiro de 2015.

Informações adicionais podem ser obtidas no site ou através do fone (41) 3360-4200 e e-mail ceppad@ufpr.br.

Cursos do CEPPAD/UFPR

Especialização em Marketing Empresarial
MBA em Finanças
MBA em Gerência de Sistemas Logísticos
MBA em Gestão Estratégica (semipresencial)
MBA em Gestão da Qualidade (semipresencial)
MBA em Gestão de Talentos e Comportamento Humano
MBA em Inteligência de Negócios
MBA em Marketing

Fonte: Universidade Federal do Paraná

Compartilhe esta postagem nas redes sociais