De onde vem a água que chega às torneiras das cidades no Sudeste brasileiro? O que explica a escassez que causou alarme nos últimos meses, num país renomado pela abundância de água doce? Sem a possibilidade de chegar a uma resposta simples e incontestável, aspectos diversos do assunto foram tratados na reportagem de capa da edição de dezembro da revista Pesquisa Fapesp. E não cabe num único vídeo. Fomos perguntar ao pesquisador Antonio Donato Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), sobre a importância da Amazônia na formação de rios voadores que levam água para regiões distantes dentro do Brasil e nos países vizinhos. O que ele contou, na conversa realizada no jardim do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP), é essencial para as reflexões da engenheira Monica Porto, da Escola Politécnica da USP, sobre a importância da chuva para abastecer os mananciais paulistas. As entrevistas foram realizadas em novembro de 2014.

Veja este vídeo na TV AGROSOFT:

Dança da chuva – Parte 2: Manancial subterrâneo

No subsolo está uma riqueza hídrica essencial em algumas regiões do país, que precisa ser bem cuidada e cujo uso pode ser ampliado, conforme explicou o geólogo Reginaldo Bertolo, do Instituto de Geociências da USP. No vídeo abaixo sua fala dialoga com a da engenheira Monica Porto, da Escola Politécnica da USP, deixando claro que as diferenças entre engenheiros e geólogos são indícios de conhecimentos complementares que precisam ser somados para a boa gestão de recursos hídricos.

Veja este vídeo na TV AGROSOFT:

FONTE: Revista Pesquisa Fapesp

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.