Uma iniciativa coordenada pela Universidade do Porto, em Portugal, está pesquisando novos nanobiossensores e dispositivos baseados em nanomateriais que poderão analisar a presença de organismos geneticamente modificados (OGMs) em alimentos e produtos biotecnológicos. Em determinadas quantidades, os OGMs podem causar diversos danos à saúde, entre os quais, numerosos tipos de alergias e até poluição do meio ambiente.

O Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP) é uma das instituições que cooperam com o projeto Monitoring Genetically Modified Organisms in Food and Feed by Innovative Biosensor Approaches. O projeto tem a participação de centros de pesquisas e universidades de Portugal, Espanha, França, Brasil e Argentina, com coordenação da pesquisadora Cristina Delerue-Matos, da universidade portuguesa. O objetivo principal é criar uma rede ativa de colaboração, intensificando e promovendo o intercâmbio de pesquisadores entre instituições da Europa e América Latina.

Além do intercâmbio entre os profissionais que atuam nessa área, o projeto tem promovido workshops que contribuem para a difusão do conhecimento, principalmente dentro da comunidade científica. Durante o mês de janeiro, o professor Valtencir Zucolotto, coordenador do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia, do IFSC, recebeu professora Beatriz Lópes-Ruiz, especialista na área farmacêutica e docente da Universidad Complutense de Madrid (Espanha).

Atualmente, o docente trabalha com a pesquisadora Maria Cristina Freitas, do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), de Portugal, que tem realizado estudos sobre o controle de qualidade de alimentos no Instituo de Física.

A pesquisadora Beatriz Lópes-Ruiz, que se surpreendeu com a qualidade da infraestrutura do IFSC, se mostra bastante esperançosa com o impacto que o projeto pode causar, já que há uma grande mobilidade da comunidade científica, com grupos trabalhando em várias vertentes dessa pesquisa e facilitando a colaboração entre cada instituição envolvida. A jovem pesquisadora Maria Cristina Freitas já finalizou o seu mestrado em Portugal e pretende iniciar seu doutorado nos laboratórios do IFSC — fator que reforça o conceito de intercâmbio proposto pela iniciativa.

Visibilidade internacional

O professor Valtencir Zucolotto sublinha que o IFSC tem recebido alunos de Portugal, Espanha, Suíça, e de diversos outros países europeus e latino-americanos, envolvidos neste e em outros projetos. Além disso, ele conta que a Unidade já desenvolveu sistemas que detectam a quantidade de proteínas relacionadas aos Organismos Geneticamente Modificados.

“O IFSC tem colaborado com esse projeto de maneira bastante importante, recebendo pesquisadores e desenvolvendo esse tipo de tecnologia, sendo que esse trabalho tem oferecido uma visibilidade internacional para o nosso Instituto, por meio de um tema que é bastante relevante em termos mundiais”, afirma.

Outra vertente bastante importante dessa rede é sua contribuição à saúde pública. Além das técnicas desenvolvidas no IFSC, outros grupos da rede já projetaram novos dispositivos que também detectam a quantidade de transgênicos nos alimentos. “Na União Européia existe uma legislação direcionada a alimentos biotecnológicos. Se um produto alimentício tem mais de 0,9% de transgênicos em sua composição, deve haver uma etiqueta alertando o consumidor”, explica a pesquisadora Maria Cristina.

Nos Estados Unidos, esse processo é facultativo a partir de 0,5%, enquanto que no Brasil a quantidade é raramente identificada nas embalagens dos alimentos. Mesmo assim, Maria Cristina acredita que o alerta nas embalagens poderá vigorar em nosso País: “No Brasil, já tenho encontrado muitos pacotes de alimentos com o alerta de transgênicos”, diz.

O trabalho em questão deverá ser finalizado em outubro, mas Beatriz garante que há chances de renová-lo: “Espero que possamos solicitar outro projeto para continuarmos com essa proposta. Assim que terminarmos as apresentações dos workshops, estaremos em contato periodicamente com nossos parceiros, através de vídeo-transferência, para atualizarmos todo o trabalho conjunto”, conclui Beatriz.

Além do Instituto de Física de São Carlos, a Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Parnaíba, também representa o Brasil na rede internacional.

FONTES

Agência USP de Notícias

Instituto de Física de São Carlos
Telefone:(16) 3373-9770
E-mail: comunicifsc@ifsc.usp.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais