Com apenas 23 anos, Mariana Vasconcelos desenvolveu uma plataforma que ajuda a otimizar o uso de água na agricultura, reduzindo em até 60% o desperdício. O Agrosmart, nome dado ao projeto, venceu 562 finalistas do concurso Call to Innovation 2015, promovido pela faculdade Faculdade de Informática e Administração Paulista (Fiap). Como prêmio a estudante ganhou uma bolsa de estudos em uma universidade localizada dentro de uma base da Nasa, a agência espacial norte-americana. Ela fará parte do Graduate Studies Program (GSP) 2015 da Singularity University, nos Estados Unidos.

Mariana explica que, na plataforma, os sensores responsáveis por medirem as variáveis do ambiente são espalhados pela plantação e, por meio de um aplicativo, enviam os dados coletados para a internet 24 horas por dia. Um software, então, faz uma análise das informações recebidas e gera recomendações para o agricultor. “Todos os dias informamos quanto o produtor deve irrigar e quando irrigar. Mostramos dados meteorológicos restritos e conseguimos fazer previsão de doenças e pregas.”

O desenvolvimento da planta também é acompanhado pelo sistema, que prevê o ritmo de crescimento para cada espécie. Além da economia de água, a estudante chama atenção para o custo. “Reduzimos também os gastos na irrigação. Quando ligam um pivô sem necessidade ou alimentam uma bomba usam energia desnecessariamente. Muitos agricultores irrigam mais do que o necessário e acabam tirando nutrientes das plantas e perdendo água para o ambiente. Nós aumentamos a produtividade quando entregamos exatamente o que a planta precisa.”

Formada em administração na Universidade Federal de Itajubá (Unifei), com foco em empreendedorismo tecnológico, a ideia de criar o aplicativo surgiu da união entre a área de estudo de Mariana com sua experiência familiar. “Meu pai é agricultor e eu conhecia as dificuldades diárias dos produtores rurais”. Assim, no final de 2014 a estudante, junto com os sócios Raphael Tizzi, Thales Nicoleti e Anderson Casemiro, criou a empresa Agrosmart, que deu nome ao aplicativo. Para a Mariana, existe uma lacuna em tecnologias voltadas ao agronegócio. “Estamos falando de um dos pilares da economia brasileira e do mundo. O agronegócio nunca deixará de ser importante. Acredito que há pouco investimento em inovação nesse meio, pra aumentar a produtividade e facilitar o dia a dia do agricultor.”

Sobre o curso recebido como prêmio, as expectativas da estudante são altas. Mariana conta que a Singularity University é focada em preparar líderes que saibam lidar com tecnologias exponenciais, que mudam a todo instante, e em como criar negócios para inovação em um cenário como este. “A bolsa fará com que consigamos colocar efetivamente as tecnologias desenvolvidas nas mãos dos produtores. Não adianta nada ter pesquisa se não programarmos a tecnologia para melhorar a vida das pessoas na outra ponta. Sei que eles vão nos ajudar a fazer isso da melhor maneira possível.”

A comercialização da plataforma Agrosmart começa em primeiro de maio de 2015 pelo site da empresa.

FONTE: Revista Globo Rural
Vinicius Galera de Arruda
Com Susana Berbet

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O Programa de Apoio à Conservação Ambiental Bolsa Verde, lançado em setembro de 2011, concede, a cada trimestre, um benefício de R$ 300 às famílias em situação de extrema pobreza que vivem em áreas consideradas prioritárias para conservação ambiental. A Universidade Federal de Lavras (UFLA) participa do Programa desde 2013, quando desenvolveu um sistema para monitoramento de algumas áreas contempladas e o resultado tem sido tão positivo que agora o sistema será ampliado, para integrar todos os dados por meio de um gerenciamento inteligente.

No dia 16 de abril de 2015, o diretor de Tecnologia da Informação do Laboratório de Estudos e Projetos em Manejo Florestal, Samuel Campos, acompanhado dos técnicos do Lemaf, Venicios Gustavo dos Santos, Regina Ribeiro Lara e Gustavo Gontijo, participaram de reunião em Brasília (DF), para apresentar as fases do projeto em desenvolvimento, a metodologia de cadastro dos usuários e a forma de fazer a identificação das áreas.

Neste encontro estavam presentes representantes dos Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e UFLA.

A estimativa é que o SisVerde seja lançado em setembro de 2015, para ser utilizado por essas instituições na execução e gestão da política pública. Hoje, o programa beneficia 71.800 famílias, a meta que ampliar para 80 mil famílias.

Para o gerente de projetos do Departamento de Extrativismo do MMA, Jânio Coutinho, o sistema que está sendo desenvolvido pela UFLA trará uma economia de 70% nos custos do cadastro do Bolsa Verde, além de apresentar confiabilidade nos dados e transparência. “Vamos reduzir os custos de operação para incluir uma nova família, além de economizar papel e gerar relatórios com dados sociais que podem orientar outras políticas”, destaca.

Ainda na reunião, os técnicos da universidade apresentaram as etapas de monitoramento da cobertura vegetal presente nas áreas contempladas pelo programa. De acordo com Samuel Campos, com o novo sistema será possível um melhor monitoramento, ampliação e fortalecimento do Programa.

Desafio

“O nosso maior desafio deste ano é a inclusão produtiva das famílias beneficiárias do Bolsa Verde, para superar a extrema pobreza, dentro do programa Brasil Sem Miséria“, enfatizou o secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Paulo Guilherme Cabral.

Para realizar essa inclusão produtiva, as famílias receberão apoio para compra de equipamentos, assistência técnica e estímulo à organização de base (cooperativas) como forma de agregar valor aos produtos e acessar o mercado. “Eles precisam superar alguns gargalos nas cadeias produtivas e na comercialização dos produtos, e nós ajudaremos nisso”.

O Programa

O Programa Bolsa Verde, faz parte do programa Brasil Sem Miséria, sendo destinado àqueles que desenvolvem atividades de uso sustentável dos recursos naturais em Reservas Extrativistas, Florestas Nacionais, Reservas de Desenvolvimento Sustentável federais e Assentamentos Ambientalmente Diferenciados da Reforma Agrária. Territórios ocupados por ribeirinhos, extrativistas, populações indígenas, quilombolas e outras comunidades tradicionais também podem ser inclusos no Programa, além de outras áreas rurais definidas por ato do Poder Executivo.

O Programa representa um passo importante na direção de reconhecer e compensar comunidades tradicionais e agricultores familiares pelos serviços ambientais que prestam à sociedade. A motivação deste programa é o fato de que 47% das 16,2 milhões de pessoas que vivem em situação de extrema pobreza estão na área rural, sendo necessário aliar o aumento na renda dessa população à conservação dos ecossistemas e ao uso sustentável dos recursos naturais.

FONTE: Universidade Federal de Lavras
Assessoria de Comunicação Social da UFLA
Cibele Aguiar – Jornalista

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Pesquisadores brasileiros e espanhóis identificaram no grão de arroz um anticorpo que anula a transmissão do HIV. Cientistas da Embrapa já haviam realizado o estudo com sementes de soja, com o objetivo de criar uma proteína capaz de evitar a contaminação do vírus HIV no ato sexual.

FONTE: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Dia 22 de abril é comemorado o Dia da Terra. A data foi criada em 1970 para reforçar a consciência sobre a preservação do meio ambiente. E você vai conhecer agora uma iniciativa para cuidar do recurso natural mais precioso do planeta: a água. Pessoas selecionadas por ambientalistas se tornaram guardiães das nascentes em Minas Gerais.

FONTE: TV Brasil

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Criado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o Veículo de Diagnóstico de Rodovias percorre estradas federais de todo o país captando imagens para um banco de dados nacional. A frota, composta por 4 veículos, leva 8 meses para completar os 55 mil km de rodovias administradas pelo órgão. Em operação desde 2012, o sistema gera economia de R$ 8 milhões para o país.

FONTE: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, anunciou que o lançamento do Plano Nacional de Defesa Agropecuária está previsto para o dia 6 de maio de 2015. O documento tem como objetivo modernizar o marco regulatório do setor e avançar nas ações brasileiras de prevenção e respostas a riscos sanitários. A data foi definida durante reunião da ministra com a presidente Dilma Rousseff. O encontro também contou com a participação dos ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil; e Nelson Barbosa, do Planejamento.

FONTE: TV NBR

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Você sabia que o Paraná tem um Centro Tecnológico de Avicultura. Pois está em Assis Chateaubriand uma cidade do Oeste do Paraná. Os avicultores podem voltar a sala de aula e também aprenderem um pouco mais, na prática, de como aumentar a rentabilidade no campo, principalmente nos aviários.

FONTE: Tarobá Rural

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Os taxistas e as pessoas com deficiência terão mais prazo para pedir a isenção de impostos na compra de veículos. A Receita Federal ampliou, de 180 para 270 dias, a validade da autorização de aquisição de veículo sem o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A extensão do prazo consta de instrução normativa editada no dia 22 de abril de 2015.

De acordo com o Fisco, a ampliação foi necessária para dar mais tranquilidade aos taxistas e às pessoas com deficiência. Depois de conseguir a isenção do IPI, esses contribuintes tinham dificuldade de pedir aos governos estaduais a isenção do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a compra de veículos.

A autorização para isentar o IPI, tributo federal, é um documento necessário para requerer a isenção do ICMS, imposto de responsabilidade dos estados e do Distrito Federal. No entanto, segundo a Receita, como o trâmite dos pedidos às unidades da Federação muitas vezes ultrapassava 180 dias, o documento de isenção do IPI caducava.

Para evitar o transtorno, que obrigava o contribuinte a reiniciar o processo na Receita Federal, o Fisco decidiu aumentar em 90 dias a validade da isenção do IPI nesses casos.

FONTE: Agência Brasil
Daniel Lima — Repórter
Talita Cavalcante – Edição

Colaborou Wellton Máximo

Compartilhe esta postagem nas redes sociais