Fonte: Faemg

“Um dos pontos mais buscados na pecuária de leite é a padronização do rebanho. O Programa Cross Mate nos auxilia muito nesse ponto, além de organizar as informações das propriedades. Sempre alinhado com o objetivo traçado pelo criador, facilita o levantamento das avaliações morfológicas das vacas e dos acasalamentos individuais. Com gráficos e tabelas, o programa nos apresenta como os touros estão sendo utilizados, quantidade, forma de cruzamentos, os graus de sangue e projeta o futuro do rebanho, bem como a evolução genética”, afirma o técnico de Leite da Alta, Rodrigo Peixoto.




  Segundo Rodrigo, o Cross Mate apresenta os acasalamentos de forma muito clara e organizada, também, para os inseminadores, minimizando muito os erros na hora das inseminações. Ele explica que o programa foi criado para orientar no acasalamento dirigido propriedades com foco em raças tropicais, auxiliando produtores no processo de seleção de animais para compor o rebanho.    “Com um atendimento personalizado, o programa gera um relatório de orientação do acasalamento, a partir do tipo de sistema da propriedade e da avaliação linear do rebanho, ranqueando as matrizes e os touros por um índice individual. Com base em seis características morfológicas e a partir do objetivo estipulado pela propriedade, o programa realiza as melhores combinações entre touro e vaca. É imprescindível definir o objetivo de seleção. Os acasalamentos realizarão permanentes mudanças genéticas ao longo do tempo”, afirma a técnica de Leite responsável pelo programa, Júlia Gazoni.    Em funcionamento desde junho de 2018, o Cross Mate já acasalou 15.827 matrizes, em 52 rebanhos, distribuídos nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste. “O Cross Mate gera muita segurança na utilização dos touros indicados, projetando o rebanho futuro da fazenda, já que é baseado no plano genético traçado entre nós, técnicos, e os produtores, de acordo com cada sistema de manejo”, afirma o gerente regional da Alta em Fortaleza (CE), Eliezel do Nascimento.   Distribuição de matrizes por região e grau de sangue              Quando falamos do perfil linear das matrizes acasaladas, a Região Norte apresentou vacas com forma leiteira arqueada, forte composto de úbere e pelagem escura. No Nordeste, as matrizes avaliadas apresentaram uma conformação mediana, dando destaque à pelagem escura, e no Sudeste, a morfologia avaliada das matrizes foi mediana. “Com os dados já recebidos no programa, conseguimos traçar o perfil médio das matrizes e quais são as principais composições raciais por região, entendendo quais características devem ser trabalhadas para obter animais saudáveis, funcionais, produtivos e adequados ao tipo de sistema de produção. Assim, aumentamos a eficiência e a longevidade dos animais, reduzindo o descarte involuntário, permitindo a criação de estratégias, a partir de plano futuro de melhoramento para intensificar a pressão de seleção e entregar aos produtores não só o acasalamento das vacas, mas o retorno do investimento”, finaliza Júlia.    Benefícios do Cross Mate – Gerar maiores ganhos genéticos anuais para o rebanho – Aumentar o uso de touros jovens com alto potencial genético – Controlar a consanguinidade – Reduzir os descartes de animais superiores devido a problemas morfológicos – Definir um plano futuro de melhoramento genético, elevando a pressão de seleção – Auxiliar nas estratégias e decisões da propriedade para aumentar a lucratividade



Clique aqui para ver esta matéria na íntegra em Faemg.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais