Fonte: Senado Federal

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) promove audiência pública para discutir o tema “Desertificação: balanço das políticas para melhor uso do solo brasileiro”, nesta terça-feira (18). O debate faz parte da programação do Junho Verde.

A audiência foi requerida pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES) para debater a efetividade da política pública instituída por meio da Lei 13.153, de 30 de julho de 2015 (Política Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca e seus instrumentos).

“Sabe-se que no Brasil — país afetado pela desertificação, degradação da terra e seca —, esses fenômenos caminham com a pobreza, produzindo uma relação de causa e efeito que implicam perdas de ordem econômica, social e ecológica em áreas do semiárido e terras subúmidas secas”.

Para a audiência pública foram convidados Daniel Fernandes Costa, coordenador executivo da Associação Caatinga; José Artur de Barros Padilha, sócio da Cooperativa de Energia e Desenvolvimento do Alto Pajeú (Ceralpa) e da Base Zero da Ecologia; Francisco Campello, da Fundação Araripe; e Gertjan Beekman, do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

A audiência está marcada para as 10h, no Plenário 9 da Ala Senador Alexandre Costa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)



Clique aqui para ver esta matéria na íntegra em Senado Federal.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: bbc.com

Nathalia Passarinho – @npassarinho Da BBC News Brasil em Londres

14 junho 2019 Direito de imagem NACHO DOCE/REUTERS Em entrevista à BBC News Brasil, Ricardo Salles não descartou a possibilidade de mineração até em terras indígenas

Com a intenção de ampliar atividades econômicas na floresta Amazônica, o governo Jair Bolsonaro quer atrair investimentos do setor privado, inclusive de empresas estrangeiras, para negócios na região.

Em entrevista à BBC News Brasil, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, argumentou que o caminho para reduzir o desmatamento ilegal na Amazônia passa por gerar “dinamismo econômico” e renda para quem vive nas áreas de florestas.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais