Fonte: Embrapa

A Embrapa está entre as instituições que somam esforços para desenvolver a bovinocultura de leite no Sertão de Sergipe, por meio do Programa de Desenvolvimento Territorial (Prodeter), iniciativa do Banco do Nordeste (BNB) para fortalecer as cadeias produtivas em suas áreas de atuação.

O lançamento do Prodeter – Bovinocultura de Leite no Sertão de Sergipe aconteceu na quinta (18) em Itabi, no Médio Sertão Sergipano.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: Embrapa

A Embrapa Milho e Sorgo ministrou o curso internacional “Spodoptera frugiperda e seu manejo com tecnologias sustentáveis voltadas para países africanos”, em Sete Lagoas (MG). O evento ocorreu de 8 a 19 de julho de 2019, para representantes do Instituto Nacional de Investigação e de Desenvolvimento Agrário (INIDA), de Cabo Verde, e do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar de Moçambique, por meio do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM). O treinamento buscou, também, ensinar as técnicas de produção do Trichogramma em biofábrica.

A lagarta-do-cartucho do milho (Spodoptera frugiperda), uma das principais pragas que atinge as lavouras dos países africanos, chegou ao continente em 2016.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: Embrapa

A Embrapa Soja esclarece que informações publicadas em matérias jornalísticas que discutem o teor de proteína da safra brasileira de soja, veiculadas nos dias 19 e 20 de julho de 2019, a partir de reportagens originadas pela Agência Reuters, não refletem os resultados de pesquisas que vêm sendo conduzidas pela empresa desde a safra 2014/15, junto ao setor produtivo.

Os dados da Embrapa, levantados pelo projeto Qualigrãos, mostram que não ocorreu variação significativa no teor de proteína do grão no país nas safras de 2014/15 até a safra 2017/18.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: Embrapa

Os agrotóxicos no Brasil são regulados desde a promulgação do Decreto nº 24.114/1934, onde se estabeleceu as diretrizes e obrigações para a produção, importação, exportação, comercialização e uso no país. Posteriormente, a Lei n˚ 7802/1989 resultou em mudanças importantes na regulação, com a inclusão do órgão responsável pelo setor de meio ambiente, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), no processo de avaliação e registro dos agrotóxicos no Brasil.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais