Fonte: BBC Brasil

As pessoas que adotam uma dieta vegana, que exclui a carne ou qualquer alimento de origem animal, devem, entre outros cuidados, se certificar de que estão consumindo quantidade suficiente de um nutriente fundamental, mas pouco conhecido, para o cérebro.

A colina, que ajuda na comunicação entre células nervosas, é encontrada em maior concentração em carnes e laticínios.

E quem não ingere esse tipo de alimento corre o risco de não obter colina suficiente, alerta a nutricionista Emma Derbyshire em artigo publicado na revista científica BMJ Nutrition, Prevention & Health.

O nutriente, que também está associado à função hepática, está presente principalmente no ovo, no leite e na carne.

Mas existem alternativas.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: BBC Brasil

Apesar de defender a proteção da Amazônia, a Europa tem sua parcela de culpa na redução da cobertura florestal no Brasil ao aumentar as importações de produtos brasileiros considerados vilões do desmatamento, como a carne.

Essa é a opinião da alemã Carina Zell-Ziegler, especialista em energia e clima do Öko-Institut, instituto de pesquisa ambiental do setor privado sem fins lucrativos sediado na Alemanha.

No ano passado, a União Europeia foi a terceira maior importadora de carne brasileira, depois de China e Hong Kong, segundo dados do Ministério da Economia.

Zell-Ziegler se baseia em estudos que mostram uma associação entre a maior demanda por carne e soja e o aumento do desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

Isso porque, diz ela, para elevar sua produção, fazendeiros acabam expandindo suas propriedades sobre áreas de conservação, primeiro, para o cultivo de grãos e, posteriormente, para a pecuária.

“Se o apetite por produtos como carne e soja cresce, isso acaba impulsionando o desmatamento”, diz ela à BBC News Brasil.

Por outro lado, representantes do agronegócio brasileiro defendem ser possível aumentar a produção sem desmatar.

Segundo Zell-Ziegler, o desmatamento no Brasil, que vinha crescendo, mas registrou um pico neste ano, coincidiu com um aumento das importações de carne brasileira pela União Europeia – em 2018, as vendas do produto ao bloco bateram recorde histórico, totalizando US$ 544,3 milhões (R$ 2,3 bilhões).

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais