Fonte: Embrapa

Trigo. Foto: Arquivo Embrapa

A indução da supressão da doença do solo ao patogeno Bipolaris sorokiniana no trigo foi estudada por pesquisadores da Embrapa e os resultados mostraram que o processo de defesa está correlacionado com o recrutamento e a atividade de grupos bacterianos associados à rizosfera, o qual é determinado pelo genótipo de trigo na presença do patógeno.

Conforme Rodrigo Mendes, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, “entender as interações entre microrganismos e plantas na rizosfera é essencial para desenvolver estratégias sustentáveis para melhorar a aquisição de nutrientes das plantas, a tolerância ao estresse abiótico e a resistência a doenças”.

“Investigamos a montagem do microbioma da rizosfera em diferentes genótipos de trigo durante os ciclos de monocultura desafiados com um patógeno no solo, para identificar o recrutamento de bactérias protetoras benéficas”, explica o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente Wagner Bettiol.

Os ciclos sucessivos de cultivo de trigo enriquecem as famílias bacterianas associadas à proteção das plantas, como Chitinophagacea e Rhodospirillaceae, e ativam diferentes funções metabólicas durante a indução da supressão do solo.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: Fapesp

Tecnologia transforma resíduo agrícola em produto químico de alto valor

Pesquisadores brasileiros e britânicos desenvolvem rota simplificada para obter compostos com aplicação industrial, como o coniferol, a partir do bagaço da cana e da palha do trigo (foto: divulgação).

A biomassa de resíduos agrícolas, como o bagaço da cana ou a palha do trigo, pode dar origem a produtos químicos finos de alto valor que servem de insumo para a fabricação de cosméticos, alimentos, fármacos e diversos outros produtos.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Fonte: Fapesp

Uma Bolsa de Pós-Doutorado está disponível para o projeto “Produção nacional de suínos geneticamente modificados voltados para o xenotransplante de órgãos em humanos”, conduzido no Instituto do Coração (Incor) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP). Inscrições até 13 de março de 2020. O Projeto Xenotransplante Brasil tem o objetivo de modificar geneticamente porcos para que seus órgãos possam ser transplantados em humanos.

Clique para saber mais…

Compartilhe esta postagem nas redes sociais