Fonte: Embrapa

Após revisão, o risco de ocorrer geada em municípios da região sul de Mato Grosso do Sul permanece alto

A Embrapa Agropecuária Oeste alertou ainda em janeiro deste ano (bit.ly/2Xr9sjV) sobre o alto risco de ocorrer geada no mês de junho de 2020 em municípios da região sul de Mato Grosso do Sul.

O sistema de previsão que foi desenvolvido pela Embrapa funciona em duas etapas, a previsão antecipada, a qual é concluída no mês de dezembro, e a reavaliação que é feita através do monitoramento de critérios chave para o sistema de previsão até o mês de maio.

Considerando este monitoramento que foi realizado, as condições requeridas para a ocorrência de geada no mês de junho de 2020 não se alteraram significativamente, não justificando, portanto, a mudança da previsão.

Como fica a previsão atualizada?

A partir do monitoramento realizado pela Embrapa no período de dezembro de 2019 a maio de 2020, o Centro de Pesquisa volta a alertar que a alta probabilidade de ocorrer geada no mês de junho de 2020 nos municípios da região sul de Mato Grosso do Sul continua.




Conforme a previsão indica, a probabilidade de ocorrer ao menos uma geada é de 96% e, além disso, a probabilidade de que esta seja forte também é alta, 74% (Figura 1).


Figura 1. Probabilidade de ocorrência de geada para o mês de junho de 2020 na região sul de Mato Grosso do Sul.

Analisando o caso desta safrinha

Na safra 2019/2020 a semeadura da soja foi em geral atrasada por conta da demora no retorno das chuvas. Com isso algumas áreas tiveram a semeadura do milho safrinha também realizada tardiamente. Houve áreas que foram semeadas até mesmo no mês de abril.

De acordo com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), a janela de semeadura para o milho segunda safra, na região sul de Mato Grosso do Sul, se estende até 10 de março. A partir desta data, o risco de ocorrer condições climáticas desfavoráveis ao crescimento e desenvolvimento do milho é muito alto. Por isso, semear após esta data não é uma prática recomendada.

Contudo, considerando a alta no preço pago pelo grão, as condições deste outono-inverno apresentam um cenário complexo de grandes expectativas para o milho safrinha, porém associado de uma maneira muito forte a um alto risco. Tal cenário implicou na revisão do seu planejamento por parte do setor produtivo. Outras culturas emergiram como alternativas, por exemplo, o trigo. Contrariando a tendência de anos anteriores, estima-se que haverá uma redução de 9% da área cultivada com milho segunda safra em 2020, em Mato Grosso do Sul.

E quanto ao frio, o mesmo já deu as caras, precocemente por sinal. Segundo dados do Guia Clima (clima.cpao.embrapa.br), sistema de monitoramento climático mantido pela Embrapa Agropecuária Oeste com o apoio de parceiros, numa onda de frio que atingiu o Estado no começo de maio, já tivemos temperatura de 5,8 ºC em Dourados, 6,6 ºC em Ivinhema e 2,9 ºC em Rio Brilhante. Houve relatos isolados de ocorrência de geadas na região, mas de baixo impacto para a agropecuária.

Nova onda de frio se aproxima

Uma nova onda de frio está a caminho e deverá chegar no próximo fim de semana. A temperatura mínima prevista pelos diferentes institutos não converge, mas ao que tudo indica deverá proporcionar temperaturas inferiores a 10 ºC. É cedo e incerto dizer se teremos geada nesta ocasião. Convém lembrar, que geadas em maio são raras na região sul de Mato Grosso do Sul. E deve-se lembrar ainda que as condições favoráveis à ocorrência de geadas acontecem quando as temperaturas, medidas no abrigo meteorológico das estações, ficam abaixo dos 4 ºC. E outro detalhe: para que a geada seja de intensidade forte, é preciso ainda mais frio, sendo requeridas temperaturas abaixo de 1 ºC.

AUTORIA

Danilton Luiz Flumignan, Éder Comunello e Carlos Ricardo Fietz – Pesquisadores
Embrapa Agropecuária Oeste

Clique aqui para assinar GRATUITAMENTE o Agrosoft e receber todos os dias no seu email as notícias em destaque.

Clique aqui para divulgar notícias e artigos no Agrosoft



Compartilhe esta postagem nas redes sociais