Fonte: Canal Rural




O monitoramento feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) indica que, até o momento, estão mantidas as previsões sobre a rota da nuvem de gafanhotos, que não entrou em território brasileiro. O trabalho do Mapa segue em ritmo de alerta em conjunto com as equipes técnicas das Superintendências Federais de Agricultura e dos órgãos estaduais de Defesa Agropecuária nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, além de unidades federais de vigilância agropecuária localizadas na fronteira com o Rio Grande do Sul.

Segundo o fiscal agropecuário, Juliano Ritter, a chegada dos insetos ao Brasil ainda não foi descartada. “A gente não pode descartar a possibilidade dessa nuvem chegar ao país em função da mudança climática, com o vento começando a soprar sudoeste e depois para oeste nesta terça-feira, 30. Por isso, ainda há a possibilidade dessa praga entrar no nosso estado (Rio Grande do Sul)”, disse.

Segundo ele, a nuvem diminuiu de tamanho após aplicações de defensivos feitas pelos argentinos. “As informações que nós temos é de que na sexta-feira eles fizeram uma aplicação aérea. Não teve muita eficiência no controle, na casa dos 15%. Não sabemos se é resistência, produto ou problemas para atingir o alvo. Ontem, domingo, o controle foi feito via terrestre, com pulverizadores costais. E começaram a testar outras doses dos produtos”, explicou.

Clique aqui para assinar GRATUITAMENTE o Agrosoft e receber todos os dias no seu email as notícias em destaque.



Compartilhe esta postagem nas redes sociais