Fonte: Embrapa

O segundo semestre é conhecido por ser o período do ano em que ocorre a safra do cajueiro. É momento ainda de redobrar o cuidado com os pomares. Para tanto, a Embrapa Agroindústria Tropical lançou o folder ilustrado “Mosca-branca-do-cajueiro: bioecologia e manejo” sobre os cuidados a serem tomados em relação à mosca-branca-do-cajueiro.




Para acessar a publicação de forma gratuita, basta acessar o link.

Conforme os pesquisadores da área de entomologia, a cultura do cajueiro é atacada por quatro espécies de moscas-brancas, cujos comportamento e hábito são semelhantes. A mais importante delas é a Aleurodicus cocois, em função de sua presença em um território geográfico bastante extenso, bem como por causar elevadas perdas quantitativas e qualitativas. No Brasil, essa praga é conhecida popularmente como mosca-branca-do-cajueiro ou mosca-branca-gigante, por apresentar maior tamanho em relação às outras espécies.

Com a expansão da área cultivada do cajueiro-anão e o maior emprego de mudas clonadas, a mosca-branca, que antes ocorria em pequenos focos em plantas isoladas, passou a se manifestar por meio de populações bastante elevadas em todo o Nordeste brasileiro, deixando de ser uma praga secundária para se tornar uma das principais pragas limitantes à cultura do cajueiro.

Ao longo do seu desenvolvimento, a mosca-branca-do-cajueiro excreta uma secreção açucarada conhecida como “mela” que se deposita nas folhas. Colônias de fungos irão se desenvolver nessas secreções recobrindo toda a face inferior da folha. Como resultado, a fotossíntese da planta fica bastante prejudicada, ocasionando o seu esgotamento e uma baixa produção de castanha. Em alguns casos, os fungos podem causar até mesmo a morte da planta.

O folder traz estratégias de combate e prevenção ao inseto, com sugestão de defensivos e dosagens. De acordo com a equipe técnica, a decisão de adotar qualquer medida de controle, no entanto, deve levar em conta o nível de infestação da praga e a presença de inimigos naturais das moscas nas plantas atacadas, como pequenas joaninhas, vespas, ácaros predadores e bichos-lixeiros. É preciso ainda monitorar o cultivo e realizar o controle da praga quando aparecerem os primeiros indícios de dano econômico. Para tanto, deve-se pulverizar as plantas atacadas.

FONTE

Embrapa Agroindústria Tropical

Clique aqui para assinar GRATUITAMENTE o Agrosoft e receber todos os dias no seu email as notícias em destaque.

Clique aqui para divulgar notícias e artigos no Agrosoft



Compartilhe esta postagem nas redes sociais