Hits: 3

O AGROSOFT 2005: Rodada Internacional de Negócios em Tecnologia da Informação para o Agronegócio, foi realizado em duas etapas. A primeira etapa ocorreu no dia 20 de setembro de 2005 em São Paulo e serviu de articulação para a etapa internacional que ocorreu de 16 a 18 de outubro de 2005 em Lima (Peru) no Fórum Iberoeka.

Para maiores informações sobre o AGROSOFT 2005, clique aqui.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Hits: 2

O Agrosoft 2005 é uma rodada internacional de negócios, em duas etapas, para empresas e instituições de software e serviços de informática com interesse no agronegócio.
A primeira etapa acontece no dia 20 de setembro de 2005 em São Paulo.
A segunda etapa acontece de 16 a 18 de outubro de 2005 em Lima (Peru) no Fórum Iberoeka, uma iniciativa conjunta dos governos Íbero-Americanos e tem como tema central a Inovação para a Competitividade dos Setores Agropecuário e Alimentício.
Temas
Inovações na Produção Orgânica – Novos Processos de Produção de Alimentos – Inovações em Biotecnologia – Inovações em Embalagem, Distribuição e Comercialização de Alimentos – Inovações na Produção Vegetal e seu Processamento – Gestão da Qualidade na Cadeia Alimentícia Fóruns: O Futuro da Produção de Alimentos – A Cooperação Interempresarial como Mecanismo para Incrementar a Competitividade
Mais informações no site do evento: www.agrosoft.org.br/agrosoft2005. ?

Fonte: Softex

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Hits: 2

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, participa nesta terça-feira, 20/9/2005, em São Paulo, do Agrosoft 2005 – Tecnologia da Informação para o Agronegócio (www.agrosoft.org.br). O evento é uma rodada internacional de negócios para empresas e instituições de software e serviços de informática, com interesse em promover parcerias comerciais ou estratégicas no agronegócio.
Durante o Agrosoft 2005, a pesquisadora da Embrapa Gado de Corte (Campo Grande) Esther Guimarães Cardoso vai ministrar um mini-curso sobre o Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Carne Bovina – Sapi Bov, que está sendo implantado pelo Mapa. A produção integrada é um sistema de produção agrária sustentável, que produz carne bovina de alta qualidade, mediante o uso dos recursos naturais segundo mecanismos reguladores de produção, processamento e distribuição, que asseguram esta qualidade ao consumidor final.
O Brasil possui o maior rebanho comercial bovino do mundo, com 195 milhões de cabeças, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A produção brasileira anual de carne bovina é de cerca de 8 milhões de? toneladas e tem apresentado crescimento contínuo desde 1999. O país exporta 16% dessa produção; entretanto, o valor da carne brasileira exportada está abaixo da média mundial.
A pesquisadora da Embrapa afirma que há necessidade de consolidar a posição brasileira como país produtor, consumidor e exportador de carne bovina. “Para isso, é preciso que haja coordenação de atividades e informação ao longo da cadeia; avançar na busca pela qualidade do produto e prover meios para sustentá-la e certificá-la”, diz Esther. As normas técnicas da produção integrada estabelecem um conjunto de “boas práticas” de produção, processamento ou manuseio. Também especificam as informações necessárias para garantir a rastreabilidade dos produtos.
O Sistema de Informação para Produção Integrada de Carne Bovina – e-Sapi Bov, que será desenvolvido sob os conceitos de software livre pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP), vai ser apresentado pela pesquisadora do centro Sônia Ternes. O coordenador do evento, Paulo Villela, apresentará um módulo sobre a participação de empresas privadas nesse sistema. O e-Sapi Bov vai informatizar os processos do Sapi Bov e produzirá um banco de componentes de software que ficará disponível na Rede de Software Livre para Agropecuária – Rede AgroLivre (www.agrolivre.gov.br), para acesso gratuito da sociedade ? tecnologia gerada.
A etapa nacional do Agrosoft 2005, que acontece no hotel Ibis Congonhas, servirá de articulação para a internacional, que ocorrerá de 16 a 18 de outubro de 2005, em Lima (Peru) no Fórum Iberoeka, cujo tema central é “Inovação para a Competitividade dos Setores Agropecuário e Alimentício”. Esse fórum é uma iniciativa conjunta dos governos do Peru, Brasil, Espanha, Portugal e demais países latino-americanos e vai discutir o futuro da produção de alimentos e a cooperação interempresarial como mecanismo para incrementar a competitividade. Haverá, ainda, sessões temáticas sobre inovações na produção orgânica; novos processos de produção de alimentos; inovações em biotecnologia; inovações em embalagem, distribuição e comercialização de alimentos; inovações na produção vegetal e gestão da qualidade na cadeia alimentícia.
O Agrosoft 2005 é organizado pela Softex – Sociedade para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, de Juiz de Fora, MG. Conta com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos – Finep, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia; do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e da CYTED (Programa Ibero-americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento) – órgão que tem o objetivo de promover a cooperação empresarial entre países ibero-americanos, nos campos da inovação e do desenvolvimento tecnológico.
Nadir Rodrigues Pereira?
Embrapa Informática Agropecuária
E-mail:? nadir@cnptia.embrapa.br

Fonte: Embrapa Informática Agropecuária

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Hits: 14

A sexta edição do Agrosoft foi realizada em São Paulo no dia 19 de setembro e em Lisboa (Portugal) no dia 20 de outubro de 2004, no formato de uma Rodada Internacional de Negócios, e reuniu empresas e instituições, brasileiras e européias, com interesse na segurança alimentar da carne bovina.

O Agrosoft 2004: Rodada Internacional de Negócios foi realizado em 20 de outubro de 2004 na cidade de Lisboa (Portugal), e teve como objetivo a promoção de negócios relacionados à segurança alimentar, mais especificamente em rastreabilidade da carne bovina.

O Agrosoft 2004 propiciou oportunidades para as empresas brasileiras e européias atuantes ou com pretensões de atuar na área de segurança alimentar da carne bovina, buscando a formação de parcerias comerciais e estratégicas visando, em última análise, o fortalecimento e a ampliação do comércio internacional de tecnologias da informação e de carne bovina.

Segurança Alimentar

Com a ocorrência de casos da doença da vaca louca (encefalopatia espongiforme bovina), inicialmente na Europa e depois em vários outros países do mundo, e também com a disseminação dos alimentos geneticamente modificados (transgênicos), os consumidores estão cada vez mais preocupados com o que estão comendo. Em particular, o consumidor europeu é sem dúvida alguma o mais politizado com relação a este tema. Em função disso, a Comunidade Européia vem estabelecendo normas, cada vez mais rígidas, para garantir a segurança alimentar dos seus cidadãos, através de controles de qualidade dos alimentos, que envolve, entre outras medidas, o rastreabilidade da origem dos alimentos, inclusive dos alimentos importados. A ONU (FAO e Organização Mundial de Saúde) e vários países (Austrália e Nova Zelândia, EUA , Canadá, Japão, Coréia do Sul e outros) vêm também estabelecendo normas e políticas visando garantir a segurança dos alimentos (veja os anais do Second FAO/WHO Global Forum of Food Safety Regulators realizado em Bangkok, Tailândia, em outubro de 2004).

O governo brasileiro está desenvolvendo um sistema de qualidade na produção de alimentos, denominado SAPI – Sistema Agrícola de Produção Integrada. Já foram desenvolvidos SAPI´s para 15 culturas de frutas e em 2005 começou a ser desenvolvido o SAPI BOV, isto é, o SAPI para a cadeia de produção de bovinos. A discussão sincronizada do sistema de informação para rastrear os produtos agrícolas desde a produção, passando pelo processamento, até a mesa do consumidor é crucial para o sucesso dos SAPI´s, em particular para o sucesso do SAPI BOV. Esse sistema de informação, denominado E-SAPI BOV foi apresentado e discutido durante o Agrosoft 2004 pela Embrapa Informática Agropecuária e pelo Ministério da Agricultura, que desejam desenvolvê-lo em parceria com empresas de software atuantes ou com interesse em atuar no setor de segurança alimentar.

O principal impacto do Agrosoft 2004 foi ter inserido a discussão do E-SAPI BOV no contexto das oportunidades para as empresas brasileiras e européias que atuam na área, e com destaque para a importância do mercado europeu nesse momento.

DIVULGAÇÃO

O Agrosoft 2004 foi divulgado basicamente através do Portal Agrosoft na Internet em www.agrosoft.org.br/agrosoft2004 e através de dois eventos presenciais, um em Portugal e outro no Brasil:

  • 1ª. Feira Luso-Brasileira de Produtos e Serviços de Tecnologias de Informação e Comunicação na Agro-Pecuária, de 5 a 13 de junho de 2004, em Santarém, Portugal, com divulgação e articulação do Agrosoft 2004 junto aos parceiros portugueses, e mostra de software agropecuário brasileiros.
  • Lançamento do Agrosoft 2004, em 24 de agosto de 2004, no hotel IBIS Congonhas em São Paulo, com a presença do Dr. Pratini de Moraes, Presidente da ABIEC- Assoc. Brasileira da Indústria Exportadora de Carnes, do Dr. Alberto Portugal, Secretário Adjunto de Agricultura de Minas Gerais, do Dr. Eduardo Costa, Superintendente de Investimentos em Inovação da FINEP; e mais 24 pessoas ligadas ao agronegócio, tecnologia da informação, governo e imprensa.

PARTICIPANTES

A meta inicial de público para o Agrosoft 2004 era termos pelo menos 20 empresas e instituições brasileiras e européias inscritas. Essa meta foi superada. Participaram da sexta edição do Agrosoft 35 pessoas, representando sete empresas do Brasil, seis de Portugal, uma da Espanha, uma da França e uma da Suiça; três instituições públicas ou privadas (sem fins lucrativos) do Brasil e três de Portugal, num total de 22 empresas/instituições.

Empresas
  1. Agri-Ciência (Portugal)
    • Leonor Queiroz e Mello
    • Luís Miguel Fernandes
    • Miguel de Castro Neto
  2. Agritrace (Brasil)
    • Ricardo Olenscki
  3. Compsis (Brasil)
    • Renato Duarte Costa
  4. Embrapa (Brasil)
  5. FZ Agrogestão (Portugal)
    • Frederico Maria Empis de Avillez
    • José Pedro Mendes Barbosa Costa Salema
  6. Inkoa (Espanha)
    • Aida Millan
    • Idoia Unzueta
  7. INIS – Instituto de Formação e Serviços (Portugal)
    • Ricardo Pedro Loureiro Marques
  8. Isagri (França)
    • Arnaldo Jorge Castro de Sousa Neves
  9. Matadouro Regional do Alto Alentejo (Portugal)
    • Jose Luis Gomes Verissimo Gomes
    • Manuel Telo Rasquilha de Abreu
    • Maria Helena Teixeira Lopes Marquez
  10. MetaCortex (Portugal)
    • Carlos Alberto dos Reis da Silva Caldas
    • João Pedro Lança Madeira
    • Rui Pedro de Almeida Ribeiro
  11. Planejar (Brasil)
    • Donário Lopes de Almeida
  12. Rural Sat (Brasil)
    • Margareth de Moraes Camargo
    • Osvaldo Fernandes Melo
  13. Sativa (Portugal)
    • António Martins de Quintanilha Mantas
  14. SGS (Suiça)
    • Maria Brandão Lima Rodrigues
    • Raquel Silva
  15. Tracer (Brasil)
    • Geraldo Jose Arantes
    • Jorge Andrade de Carvalho Gomes
  16. Vale Verde (Brasil)
    • Abel Leocádio Fernandes
Instituições
  1. Gabinete de Planeamento e Política Agro-Alimentar (Portugal)
    • Luís Souto Barreiros
  2. Genius Instituto de Tecnologia (Brasil)
    • Marcel Bergerman
  3. INGA – Instituto Nacional de Intervenção e Garantia Agrícola (Portugal)
    • H. Salus Henriques
    • Pedro Ricardo Nicolau Abrantes Vieira
  4. Instituto Superior de Agricultura (Portugal)
    • Luis Mira
  5. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil)
    • Juaquim Naka
  6. Sociedade Softex (Brasil)
    • Márcio Ellery Girão Barroso

PROGRAMAÇÃO

20 de Outubro de 2004

PARCERIAS
No contexto do Agrosoft 2004, foi estabelecida uma parceria com a Embrapa Informática Agropecuária e com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para desenvolvimento do Projeto E-SAPI BOV a ser submetido ao Iberoeka, e que consiste numa plataforma aberta em software livre para gerenciamento da informação do Sistema Agrícola de Produção Integrada da Cadeia Bovina – SAPI BOV.

O papel do Agrosoft no Projeto E-SAPI BOV será o de articulador da Rede Rastrear (vide Memorando de Entendimento) de empresas brasileiras interessadas em participar do projeto, bem como promover a discussão de modelos de negócios baseados nesta plataforma aberta.

Em Portugal, conseguiu-se solidificar parcerias com empresas e instituições portuguesas voltadas para o agronegócio e tecnologias da informação, com vistas a participação no projeto E-SAPI BOV, a ser submetido ao aval do Iberoeka. Colaborou também para isto, a realização do Fórum Iberoeka, nos dias 17 a 19 de outubro de 2004, antecedendo portanto o Agrosoft 2004. O IBEROEKA é uma iniciativa internacional de cooperação de caráter multilateral, criada no âmbito do Programa Iberoamericana de Ciencia y Tecnologia para el Desarrollo – CYTED, destinada a promover a cooperação empresarial entre países iberoamericanos, no campo da inovação e desenvolvimento tecnológico. A FINEP é a operadora do Iberoeka no Brasil.

IMPACTOS

Impacto Científico e Tecnológico

O desenvolvimento do E-SAPI BOV, do ponto de vista científico e tecnológico, como iniciativa na área de desenvolvimento de uma plataforma aberta em software livre, terá certamente um grande impacto se obtido sucesso. A comunidade de software livre, apesar dos inúmeros casos de sucessos na área de software básico (sistemas operacionais, banco de dados, servidores web, etc.), é sedenta de boas oportunidades na área de aplicações. O desenvolvimento dessa aplicação voltada para a segurança alimentar é uma belíssima oportunidade envolvendo não só empresas brasileiras, mas igualmente empresas de outros países, especialmente européias. Com essa plataforma desenvolvida, imaginamos que um dia será possível ao consumidor (onde quer que ele esteja), acompanhar todas as fases de produção, processamento e distribuição dos alimentos que consome.

Impacto Econômico

O Brasil é um dos grandes protagonistas mundial quando o assunto é agronegócio. Manter a competitividade das exportações brasileiras de alimentos é crucial para a economia do país, agora e no futuro. Só para exemplificar, hoje, já não se consegue exportar carne bovina para a Europa se o produto não for rastreado desde a sua origem. Sendo assim, o impacto econômico, imediato e futuro, da implantação de sistemas de qualidade e rastreamento de alimentos é enorme. Em números, só em carne bovina, o Brasil exportou em 2004 mais de US$ 2,5 bilhões (veja estatísticas da ABIEC – Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), sendo quase a metade disso para o mercado europeu. . A implantação da plataforma aberta E-SAPI BOV, que teve seu lançamento no Agrosoft 2004, dará condições de sustentabilidade à s exportações brasileiras de carne.

Impacto Social

Segurança alimentar já é hoje um tema de capital importância no mundo todo. E continuará sendo cada vez mais. No Brasil, o tema ainda está mais afeto à discussão do acesso ao alimento, onde se destaca o programa Fome Zero do Governo Federal. Entretanto, em breve, acontecerá aqui o que vem se travando na Europa, onde grupos sociais bastante ativos, pressionam os governos para adotar medidas que fiscalizem e controlem os alimentos que são vendidos, através de severas normas que visam garantir a segurança alimentar. Ou seja, do ponto de vista social, não basta garantir o acesso aos alimentos, mas sim a alimentos de qualidade garantida. A implantação da plataforma aberta E-SAPI BOV , que teve seu lançamento no Agrosoft 2004, visa dar garantia de qualidade ao consumidor de carne, é essencial para o produtor que deseja se manter no mercado.

Impacto Ambiental

Os sistemas de qualidade na produção de alimentos passam necessariamente pela mensuração do impacto ambiental e social da atividade agropecuária, isto é, só tem seus produtos certificados aqueles produtores que não causem danos ambientais e que pratiquem a exploração do trabalho de forma socialmente aceita. A implantação do SAPI BOV e do sistema E-SAPI BOV , que teve seu lançamento no Agrosoft 2004, dará garantias ao consumidor de que ele está comprando um alimento social e ambientalmente correto, segundo as normas brasileiras e internacionais.
REGISTRO FOTOGRÁFICO

Vista do Parque das Nações no hotel Tivoli Tejo

Portaria do Hotel Tivoli Tejo, destacando-se o cartaz do Agrosoft 2004

Paulo Villela, Miguel Neto, Eduardo Grizendi e Renato Duarte no hall do Tivoli Tejo

Momentos antes do início dos trabalhos do Agrosoft 2004

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Juaquim Naka do Ministério da Agricultura no Agrosoft 2004

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Flagrante da rodada de negócios

Reunião no INGA
CRÉDITOS
Realização

Patrocínio

Universidade Federal de Juiz de Fora

Finep

Sociedade Softex

Compartilhe esta postagem nas redes sociais