Web:

www.fealq.org.br

Contato:

Leticia

EMail:

livros@fealq.org.br

DDD e Telefones:

(19) 3417-6600

Descrição:

21274.jpgTítulo
Propriedades, Comunidades e Roteiros no Turismo Rural
Anais do 5º Congresso Brasileiro de Turismo Rural

Preço
R$ 30,00

Páginas
446

Autores
Antônio Carlos Sarti
Cássio Garkalns de Soza Oliveira
Gleice Regina Guerra

Editora
Editora FEALQ

Drescrição
Conferências: Turismo Rural e Desenvolvimento Local / Restauração Florestal de áreas degradadas: uma ferramenta para o turismo rural e o ecoturismo / Consórcio Nacional Fazendas do Brasil / Turismo Rural e desenvolvimento regional / Considerações sobre o (des)encontro rural / Urbano: um olhar antropológico…. / TRABALHOS ORIGINAIS / COZINHA DO BRASIL RURAL.

Empresa:

FEALQ

Razão Social:

Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz

CNPJ:

48659502/0001-55

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Web:

www.fealq.org.br

Contato:

Leticia

EMail:

livros@fealq.org.br

DDD e Telefones:

(19) 3417-6600

Descrição:

21275.jpgTítulo
Controle Microbiano de Insetos
2ª Edição

Preço
R$ 85,00

Páginas
1163

Autor (editor)
Sérgio Batista Alves

Editora
Editora FEALQ

Drescrição
Este livro foi elaborado com o objetivo de atender aos profissionais da área agronômica, biólogos, veterinários, agricultores, pecuaristas, estudantes de graduação e pós-graduação. O texto, com 40 capítulos de assuntos cientificamente complexos, foi escrito de maneira simples e compreensível, abordando aspectos básicos e aplicados da patologia e controle microbiano de insetos.

Empresa:

FEALQ

Razão Social:

Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz

CNPJ:

48659502/0001-55

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O início da seca na região centro-sul do Brasil deixa em alerta pesquisadores, institutos de climatologia e organizações ambientalistas. A possibilidade de um nvo perído de estiagem ainda é pouco cogitada, mas já são feitos monitoramentos em várias áreas.

Com a diminuição das chuvas, uma das preocupações do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) envolve as áreas de cultivo agrícola que atendem estados como o de Rondônia. Além disso, o aumento no número de queimadas, no período de seca, eleva o risco de incêndios que podem destruir parte da floresta.

De acordo com o chefe da Divisão de Meteorologia e Climatologia do Sipam de Manaus, Ricardo Dalla Rosa, a média de chuva nesse período é de 50 milímetros por dia. Caso esse nível fique abaixo de 20 milímetros, haverá uma situação de risco maior. ?Isso é de certa forma preocupante porque agora vem o período de chuvas pouco abundantes. E a tendência é que aconteçam chuvas abaixo do normal nesse mês e talvez em agosto, em Rondônia, Acre e sul do Amazonas?, afirma.

Segundo ele, fenômenos como o aumento nas temperaturas dos oceanos podem diminuir o nível de precipitações. Dalla Rosa explica que os oceanos são importantes para climatologia, já que modulam a quantidade de chuvas nas regiões. O oceano atlântico tropical, na região do Golfo, apresentou anomalias de dois graus centígrados acima do normal (25º C).

Nessas áreas acontece a convecção, movimentos de formação de nuvens que, conseqüentemente, ocasionam as chuvas. ?Como a atmosfera é um meio continuo, em algum lugar esse ar que está subindo deve descer. Mas quando o ar frio desce inibe a formação de nuvens. E é isso que está acontecendo aqui, o ramo descendente dessa convecção é sobre o sul da Amazônia. Aí, nos temos chuvas abaixo do normal?, esclarece.

No entanto, fatores como aquecimento global, desmatamento e aumento na intensidade do efeito estufa também podem provocar estiagem de chuvas. Para o coordenador da campanha de Clima do Greenpeace, Carlos Rittl, a derrubada de parte da floresta Amazônica tem grande efeito para o deseqüilíbrio do clima.

De acordo com ele, metade das chuvas na região depende das florestas. Com o desmatamento, a região produz pouca umidade necessária para que aconteçam precipitações. Em outubro do ano passado, a região amazônica viveu a maior seca dos últimos 50 anos. As populações ribeirinhas foram as que mais sofreram com a estiagem.

Com a baixa no nível dos rios, essas comunidades ficaram isoladas e sem acesso à saúde, escola, alimentação e água potável para o consumo. No dia 10 de outubro o governo estadual decretou estado de calamidade pública em 61 municípios amazonenses. O governo federal liberou R$ 30 milhões, 50 mil cestas básicas, 130 kits de medicamentos e 18 toneladas de hipoclorito de sódio, substância para tornar a água potável. A seca chegou a atingir também outros o Acre, Rondônia e Pará.

Fonte

Agência Brasil
Monique Maia – Jornalista
Internet: www.agenciabrasil.gov.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A oitava edição do Semináro Brasileiro de Produção Integrada de Frutas, promovido pelo Centro de Desenvolvimento do Agronegócio (Cedagro) e pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Incaper), ocorrerão de 11 a 13 de julho, em Vitória (ES).

Segundos os organizadores, estarão reunidos pesquisadores e técnicos envolvidos com a produção integrada de frutas, sistema de explorarão econômica para a produção de alimentos de alta qualidade obtidos com base em métodos ecologicamente seguros que minimizam o uso de insumos e poluentes.

Mais informações: www.incaper.es.gov.br/sbpif/index.htm.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais