A diretoria da Asssociação dos Criadores de Avestruzes do Brasil (ACAB) retornou do 12º World Ostrish Congress, realizado em Madri, de 14 a 16 de outubro de 2005, com ótimas notícias para a estrutiocultura nacional. Uma das mais comemoradas diz respeito ao país-sede do Congresso Mundial em 2006.
O evento que contou com a primeira participação internacional oficial da ACAB, foi avaliado pela equipe diretiva da entidade, que acompanhou a programação, como bem sucedida e de ótimos resultados e impactos para a estrutiocultura de nosso país.
Ao todo, estima-se a participação de 250 congressistas. O Brasil somava a segunda maior delegação, com aproximadamente 50 representantes. Quanto aos estandes e apresentações institucionais, a ACAB não deixou a desejar e fez jus à sua primeira participação. De acordo com o superintendente de marketing da ACAB, Cláudio Costa, o espaço brasileiro foi o mais visitado e comentado no evento. Além do espaço da ACAB havia também outros dois: da El Monte e da Alani Exotics, ambas empresas espanholas.
Além das fronteiras
A divulgação dos produtos brasileiros provenientes do avestruz e do maior evento de nossa estrutiocultura, o Americavestruz 2005, extrapolou todas as fronteiras e atingiu pesquisadores, congressistas e palestrantes da África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Cairo, Chile, China, Chipre, Dinamarca, Espanha, EUA, França, Grécia, Holanda, Inglaterra, Irã, Israel, Itália, Jordânia, Lituânia, México, Polônia, Romênia, Rússia, Sudão, Turquia, Ucrânia e Zimbábue.
Brasil, país-sede do Congresso em 2006
A ACAB representou os interesses do mercado estrutiocultor brasileiro e, ainda, conquistou, através de campanha política e de divulgação de nosso país, a oportunidade de sediar o 13º World Ostrish Congress 2006, que será realizado na cidade de São Paulo. “O anúncio foi realizado no último dia do evento. Após a revelação do país vencedor, a delegação brasileira foi aclamada por todo o público do evento que demonstrou apoio favorável ao Brasil”, conta Cláudio Costa.
Além do Brasil, a Austrália, Ucrânia e China também concorriam, mas retiraram suas candidaturas devido à notória campanha brasileira.
Melhor trabalho científico
Também alcançamos um excelente resultado no III Simpósio Científico Internacional sobre Aves Corredoras. O primeiro lugar na categoria “Trabalho Científico” foi conquistado por brasileiros. A Biotectruz, empresa sediada em Cosmópolis/SP, especializada em biotecnologia, representada pela diretora de Pesquisa e Desenvolvimento, Bárbara Mangiaterra recebeu a premiação das mãos do embaixador da África do Sul, país com o maior número de trabalhos inscritos e considerado anteriormente como os favoritos.
Para o presidente da Associação, Adair Ribeiro Júnior, “os objetivos da ACAB neste evento foram alcançados. O reconhecimento internacional e a divulgação do mercado brasileiro no exterior comprovam que assumimos, de fato e de direito, importante participação na estrutiocultura mundial. Agora temos que dar continuidade nos trabalhos, e nos preparar para receber o mundo no próximo ano”, avalia Adair.
Para obter mais informações consulte o site da ACAB – www.acab.org.br – ou através do telefone (11) 3101-1096.
Tammy Lauterbach
Matriz da Comunicação Assessoria
E-mail: tammy@matrizdacomunicacao.com.br

Fonte: Matriz da Comunicação

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Durante o XI Congresso Brasileiro de Mandioca, realizado entre os dias 25 e 28 de outubro de 2005 em Campo Grande/MS, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apresentou 61 trabalhos técnicos-científicos, abrangendo as mais variadas áreas de pesquisa da cadeia produtiva de mandioca, como sistemas de produção, genética e melhoramento de plantas, solos e nutrição, entomologia, fitopatologia, socioeconomia, agricultura familiar, tecnologia de alimentos e industrialização.
Deste total, 15 são da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS) e o mesmo número da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical (Cruz das Almas, BA), dez da Embrapa Cerrados (Brasília, DF), cinco da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília, DF), quatro da Embrapa Meio Norte (Teresina, PI), três da Embrapa Semi-Árido (Petrolina, PE) e Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus, AM), dois da Embrapa Acre (Rio Branco, AC) e um para Embrapa Amapá (Macapá, AP), Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE), Embrapa Pantanal (Corumbá, MS) e Embrapa Roraima (Boa Vista, RR).
Entre as linhas de pesquisa desenvolvidas na Embrapa Agropecuária Oeste, os estudos relacionados com a qualidade do solo têm contribuído, de forma siginificativa, para o estabelecimento de sistemas de manejo mais conservacionistas para o cultivo da mandioca. Segundo o pesquisador da Unidade Fábio Mercante, coordenador do projeto envolvendo as avaliações de qualidade do solo em cultivos de mandioca sob plantio direto com diferentes coberturas vegetais, “a utilização de um sistema de manejo mais conservacionista nos cultivos de mandioca é particularmente importante, devido ao baixo índice de área foliar das plantas, que deixa o solo desprotegido durante o primeiro ciclo vegetativo, intensificando os fatores que levam à degradação do solo”.
Os principais resultados desses estudos estão sendo apresentados no XI CBM. Tais pesquisas incluem avaliações de atributos químicos, físicos e biológicos, que foram monitorados durante três anos, sendo correlacionados com parâmetros fitotécnicos da cultura. O pesquisador Auro Akio Otsubo, integrante da equipe do projeto, destaca que “a qualidade dos resíduos vegetais utilizados em cobertura do solo pode contribuir, de modo geral, para a melhoria dos atributos fitotécnicos da cultura da mandioca, especialmente, para o aumento da produtividade da cultura”.
Dalízia Aguiar
Embrapa Agropecuária Oeste
E-mail: dalizia@cpao.embrapa.br

Fonte: Embrapa Agropecuária Oeste

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Os incentivos fiscais à inovação tecnológica previstos, primeiramente, no artigo 28 da Lei de Inovação Tecnológica e posteriormente incorporados à MP 252/05 foram, finalmente, aprovados na noite de ontem [27/10/05], pelo plenário da Câmara dos Deputados.
Por terem perdido a validade no dia 13, os incentivos foram inseridos no texto do projeto de lei de conversão (PLV) do Senado Federal 28/05 na terça-feira (25/10/05), referente à MP 255/05, que regulamenta a tributação dos planos de previdência.
De acordo com informações da Câmara dos Deputados, foram aprovados os artigos 1º ao 37º, com parecer favorável, ressalvados os destaques. Os artigos referentes à inovação tecnológica são os de número 17 a 27.
O texto aprovado ontem [27/10/05] permite a criação de um pacote de incentivos fiscais à inovação tecnológica que inclui a redução de 50% do IPI incidente sobre equipamentos destinados à pesquisa e desenvolvimento tecnológico.
Outra medida da antiga MP do Bem que também foi incorporada e votada ontem se relaciona à inclusão digital. Para tentar diminuir o preço dos microcomputadores de uso doméstico, a MP concede isenção do PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta de venda desses micros no varejo. A medida incluiu teclado, mouse e monitor se vendidos juntos. O incentivo é válido até 31 de dezembro de 2009, mas não atinge as empresas vendedoras optantes do Simples.
A alíquota zero abrange ainda laptops, notebooks e monitores de cristal líquido. O benefício poderá ser obtido também por órgãos e entidades da administração pública.
A chamada nova MP do Bem também incluiu os artigos referentes ao desenvolvimento regional. Até o fechamento desta edição não foi possível conferir na Câmara quais os artigos sobre inovação tecnológica, desenvolvimento regional e inclusão digital estavam entre os destaques que foram votados em separado. O texto final aprovado está em processo de revisão e, segundo a equipe da redação final da Mesa da Câmara dos Deputados, o texto estará disponível somente no final da tarde.
A matéria segue para sanção presidencial.
Acompanhe o assunto no site www.camara.gov.br.
Márcia Araújo
Projeto Informação e Comunicação para os
Sistemas Estaduais e Municipais de C e T
E-mail: marcia@redeabipti.org.br  
Fabiana Santos
E-mail: fabiana@redeabipti.org.br 

Fonte: Gestão C e T – ABIPTI

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Através do Programa Petrobrás Fome Zero, foi escolhido por seleção pública o Projeto de Implantação de Viveiros de Mudas de Plantas Frutíferas Tropicais, idealizado pela Associação Escola Família Agrícola da Perimetral Norte, na localidade de Cachorrinho, Município de Pedra Branca do Amapari, no Estado do Amapá. O projeto integra a Carteira de Projetos da Rede Petrobrás de Responsabilidade Social.
A Embrapa Amapá, em parceria com outros órgãos, participou da formação do projeto que é um dos sete da Região Norte e o único do Estado do Amapá. O Projeto objetiva aumentar a capacidade de sustentação financeira, melhorando a formação dos estudantes e a possibilidades das escolas servirem de base para produção das mudas necessárias ao desenvolvimento da fruticultura e da agricultura da região.
A metodologia empregada prevê cursos e palestras, implantação dos viveiros e dos jardins clonais, esperando-se como resultado dessa ação um expressivo número de estudantes capacitados e de mudas produzidas, o que provocará um impacto sócio-econômico positivo na região, com a fixação do homem no campo.
O projeto será implementado também no Distrito de São Joaquim do Pacuí (Município de Macapá) e no Município de Tartarugalzinho, beneficiando diretamente 409 alunos das escolas famílias, 109 comunidades rurais e 316 famílias das três comunidades envolvidas.
Joana D´arc Queiroz
Embrapa Amapá
E-mail: joana@cpafap.embrapa.br

Fonte: Embrapa Amapá

Compartilhe esta postagem nas redes sociais