A Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), da USP em Pirassununga, realizará no dia 8 de abril o I Workshop sobre Nutrição de Aves, destinado a professores, pesquisadores, técnicos, estudantes e profissionais da área, diretamente ligados à nutrição de aves. A participação é gratuita.
O workshop tem como objetivos a integração de profissionais de diferentes empresas, a participação de alunos que pretendem atuar na avicultura e a abordagem de temas que fazem parte do dia-a-dia de um nutricionista. O evento será composto por palestras, proferidas por profissionais e pesquisadores de diferentes Universidades. Entre os temas abordados estão Fatores que Interferem na Qualidade Nutricional do Milho para Frangos de Corte e Nutrição Protéica de Frangos de Corte.
As inscrições, gratuitas, podem ser feitas na página http://www.usp.br/fzea/fzea/event/evfzea/2005/050408/index.html. O evento será realizado das 8 às 18 horas na FZEA, que fica na Av. Duque de Caxias Norte, 225, Pirassununga, São Paulo.
Mais informações: http://www.usp.br/fzea/  

Fonte: Agência USP de Notícias

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O mundo tradicionalista nos dias 30 de março a 03 de abril estará voltado para Bagé. Nessa data, acontece a 26ª Semana Crioula Internacional, no Parque de Exposições da Associação/Sindicato Rural de Bagé. Nesse evento, entre os atrativos que reúne milhares de pessoas são as provas campeiras. As inscrições para essas atividades já podem ser efetuadas na sede do Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos de Bagé, no Parque de Exposições da Associação/Sindicato Rural de Bagé.
As inscrições para as provas de gineteada e tiro de laço tem o custo de R$ 80. As inscrições para o concurso de rédeas cavalos manso custam R$ 60. Já, as inscrições para o concurso de rédeas para guris até 12 anos são gratuitas. Desde o início desse mês, a procura pela inscrição nos atrativos da Expofeira tem se acelerado. O coordenador geral do evento, Roberto Zago, relata que a Semana Crioula é uma festa autêntica e campeira, que contará com a participação de tradicionalistas e simpatizantes de todo Estado e de outros países do Mercosul. Zago salienta que esse evento irá reverenciar a riqueza cultural e artística existente nesta região, assinalando assim, a identidade do povo bageense.
O evento será dotado de gineteadas, tiros de laço, concurso de rédeas, prova de potro 21 dias e raspadinhas. Também são atrativos do evento, os concursos de artesanato, culinária campeira, esquila a martelo, danças folclóricas, declamadores, pajadores, poesia inédita, intérpretes e instrumentistas, grande parte destes nas modalidades mirim, juvenil e adulto. Mais informações pelo telefone (53) 242-0006.
Premiação
Concurso internacional de Gineteadas:
1º lugar – R$ 4.000
2º lugar – R$ 2.000
3º lugar – R$ 1.000
4º lugar – R$ 500
5º lugar – R$ 250
Concurso internacional de Laço Dupla:
1º lugar – R$ 4.000
2º lugar – R$ 2.000
3º lugar – R$ 1.000
Concurso individual laço internacional:
1º lugar – R$ 1.000
2º lugar – R$ 500
3º lugar – R$ 300
Laço Veterano e Laço Mirim – Troféus para o primeiro e segundo colocado em cada modalidade
Concurso de Laço para guri até 12 anos
1º e 2º lugar – troféu
Cavalos Mansos
1º lugar – R$ 400
2º lugar – R$ 200
Concurso de rédeas Potro com 21 dias de agarrados:
1º lugar – R$ 600
2º lugar – R$ 300
3º lugar – R$ 200
Todos os premiados receberão troféu.
Márcia Godinho Marinho
E-mail: assessoriadeimprensa@ruralbage.com.br

Fonte: Rural Bagé

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O grupo português de comércio varejista Sonae Distribuição Brasil deve começar a importar carnes nobres (parte traseira), camarão criado em cativeiro e café orgânico do Paraná. O destino é o mercado português. Só em termos de carnes, a demanda inicial será de 400 toneladas por mês. O café orgânico será outra prioridade nas importações do grupo. “O café orgânico é considerado uma especiaria na Europa”, afirma Paulo Vidal, gerente de perecíveis da Sonae. Depois de passar três anos no Brasil, ele está retornando à matriz do grupo, que fica na Cidade do Porto (Portugal), nos próximos dias.
Os produtos serão fornecidos por associados do ‘Clube Produtor Sonae Paraná’. Vidal conheceu de perto a cadeia de produção dos pequenos e médios produtores paranaenses dos segmentos de hortifruti e carnes e acompanhou a montagem do Clube. “Os pequenos e médios produtores têm mais qualidade e preço melhor. Em 2005, vamos priorizar os produtos orgânicos”, informa o gerente.
A importação dos produtos é mais um bom resultado da implantação do ‘Clube Produtor Sonae”, implantado nos estados da Região Sul. Por meio dessa iniciativa, o grupo, que no Brasil tem sede em Porto Alegre (RS), encontrou uma fórmula para apoiar a agricultura familiar, melhorar a qualidade das carnes e dos produtos de hortifruti nas gôndolas de suas redes de supermercados, além de oferecer melhores preços ao consumidor final.
O Clube, que existe há três anos, foi implantado no Paraná há pouco mais de um ano. No Estado, conta com 383 associados. Selo, embalagem e lay-out diferenciados marcam a presença dos produtos do clube nos supermercados do grupo.
O grupo Sonae é considerado o terceiro maior no ranking de supermercados do País, de acordo com dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). As bandeiras do grupo – Big, Maxx, Mercadorama e Nacional, somam 150 lojas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Paraná. Nesse último, o grupo conta com 33 lojas, sendo 24 Mercadorama e nove Big. O grupo Sonae é considerado um dos maiores conglomerados não-financeiros de Portugal, como também do setor de distribuição na Europa.
Após várias viagens de prospecção, a empresa cadastrou e convidou pequenos produtores de verduras, legumes, frutas e carnes da Região Metropolitana de Curitiba e do interior do Paraná para participar do Clube Produtor Sonae. Depois de reuniões entre executivos da empresa e os grupos de produtores, os futuros associados aderem ao clube assinando contrato com o grupo Sonae. Porém, não ficam obrigados a fornecer exclusivamente à empresa. Desse modo, os atravessadores são eliminados. A Sonae negocia diretamente com os produtores, agregando valor à mercadoria e favorecendo os preços aos consumidores.
Por meio de parcerias estabelecidas entre a Sonae e instituições como Emater, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR), Serpro, entre outros, os produtores participantes do clube recebem gratuitamente capacitações, assistência técnica e análises laboratoriais da água e do solo. Outros benefícios oferecidos aos associados são o acompanhamento em logística, custos e produção, realizado pelos parceiros, e o cartão de crédito Clube Produtor Sonae, que facilita as compras pessoais e melhores condições de pagamento nas redes de supermercados do grupo.
Um convênio firmado com Banco do Brasil irá facilitar o acesso ao crédito rural para os pequenos e médios produtores associados do clube. No momento, a própria Sonae está negociando a taxa de juros dos financiamentos junto ao banco para os associados do Paraná.
Todos ganham
Para Gilberto Alves, diretor regional da Sonae/PR, “os produtores, a empresa e nossos consumidores estão ganhando em produtividade, negociação comercial saudável e qualidade nos alimentos”. Ele ressalta que o Clube Produtor Sonae reflete a filosofia da empresa, que prioriza a prática da responsabilidade social e o apoio à agricultura familiar, especialmente, à produção sem uso de agrotóxicos. Do total de vendas realizadas por ano, a empresa doa 0,5% às instituições parceiras do Clube Produtor Sonae, com o objetivo de custear estudos, exames laboratoriais, cursos de capacitação e apoio aos associados.
Segundo Gerson de Jesus Bertolin, 24 anos, produtor rural de Colombo, município a 20 quilômetros de Curitiba, “antes de entrar no clube da Sonae eu tirava R$ 4 mil por mês. Agora minhas vendas melhoraram 300%, pois negocio direto com eles, sem atravessador e Ceasa, que ficavam com 200%. Minha vida melhorou bastante”, conta satisfeito.
Ele diz que está com o nome limpo na praça, pois conseguiu pagar as dívidas. Também conseguiu investir em um novo equipamento, uma rampa para lavar cenouras, que irá melhorar a qualidade do produto e agregar valor. Tudo isso aconteceu em apenas um ano. Gerson aderiu ao Clube Produtor Sonae em março do ano passado. Sua propriedade tem cinco alqueires, onde ele, mãe e irmão cultivam couve-flor, repolho, chuchu, pepino e berinjela.
Resultados comprovam
A fórmula da Sonae tem apresentado ótimos resultados. Comparando a movimentação financeira nos últimos dois anos, os negócios do grupo gerados por meio do Clube Produtor Sonae Paraná cresceram 59,6%. De R$ 7,8 milhões em 2003, saltaram para R$ 12,5 milhões, no ano passado. Em termos de quantidade de produtos comercializados, o crescimento foi de 108,4%. Saiu de 6.130 toneladas no ano de 2003 para 12.775 toneladas em 2004. A diversificação de produtos também cresceu 11%. Em 2003, eram oferecidos 2.822 produtos e no ano passado passaram a ser 3.136.
A Sonae também promove iniciativas para diversificar a produção dos associados do clube. No ano passado, por exemplo, introduziu três tamanhos (pequeno, médio e grande) de camarão nas fazendas de pequenos produtores no litoral paranaense, visando atender a necessidade do mercado português. Paulo Vidal, gerente de perecíveis da Sonae relata que os parceiros do clube estão desenvolvendo novos produtos juntos aos associados, a partir das partes dianteiras do gado, que não serão exportadas.
Clube gerou uma cooperativa
A cooperativa QI (Qualidade Identificada) Carnes, sediada em Paranavaí, criada há um ano para atender a demanda do grupo e aderir ao Clube Produtor Sonae, também é uma boa demonstração de que a fórmula da empresa funciona. “Antes éramos todos informais e cada um vendia sua produção para frigoríficos, mercadinhos, açougues, etc. O clube aproximou dois elos da cadeia, que estavam isolados, ou seja, o comprador e o produtor”, afirma Carlos Antônio Vieira Costa Júnior, presidente da cooperativa QI Carnes.
A criação da cooperativa, segundo ele, deu estrutura formal aos pequenos e médios produtores de carne da região de Paranavaí. A cooperativa QI Carnes conta hoje com 26 cooperados, que juntos possuem 60 mil cabeças de boi. Segundo Costa Jr., as vendas aumentaram em média 60% ao mês, desde que passaram a vender diretamente para a Sonae. No momento, os associados estão montando parceria com um frigorífico da região para iniciar a exportação de carnes para Portugal. “Temos uma série de exigências e adequações a serem feitas”, esclarece.
Outras vantagens da adesão ao Clube Produtor Sonae, apontadas pelo presidente da cooperativa QI Carnes, é a oferta de treinamentos gratuitos para os cooperados e da marca da cooperativa estar junto à do grupo. Para ele, o consumidor também sai ganhando em qualidade e preço final. “A relação entre atacadista e frigorífico não garante a qualidade da carne. Nunca se sabe a origem dela”, justifica.
 Todos os animais dos cooperados da QI Carnes, e ao mesmo tempo associados ao Clube Produtor Sonae, são rastreados pela empresa, desde o nascimento até o abate. Aliás, o abate também segue normas modernas, do chamado “abate humanitário”, que não utiliza a marreta. O animal é anestesiado antes de ser abatido para não provocar sofrimento e a descarga de hormônios, que comprometem a qualidade da carne a ser consumida.
Serviço
Internet: www.sonae.com.br
Vanessa Brito

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

As Faculdades de Ciências Agronômicas e Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo) promovem, nos dias 8 e 9 de abril (sexta e sábado), em Botucatu, simpósio sobre Atualizações e Tendências na Pecuária de Corte. Luis Fernando Cabrino, sócio da dupla Chitãozinho e Xororó no grupo Montana Grill, será um dos palestrantes.
O grupo Montana Grill engloba cinco churrascarias-rodízio no país, 46 franquias de grelhados fast food para shopping centers, uma loja especializada em carnes em Campinas e a marca de carnes Montana Premium Beef, vendida em supermercados de todo o país. No simpósio, Cabrino falará sobre os avanços no processo de integração na cadeia da carne, principalmente na produção de carnes especiais. O exemplo é a própria Montana Premium Beef, produzida pela parceria entre os criadores, o frigorífico e o expertise do grupo Montana.
O simpósio enfocará também estratégias de marketing e comercialização de carnes, aditivos nutricionais alternativos, estratégias de agropecuária, entre outros temas. Para mais informações e inscrições, acesse o site http://www.fca.unesp.br/nutrir/.
Paula Idoeta e Daiane Oliveira

Fonte: Página Rural

Compartilhe esta postagem nas redes sociais