Aconteceu ontem, às 19 horas, no Hotel Carlton, em Brasília, DF, a abertura do Curso Internacional de Pré-Melhoramento de Plantas, que reúne até o dia 27 de outubro, 140 participantes de 11 países latino-americanos, incluindo o Brasil. O curso está sendo promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, em parceria com o Procitrópicos – IICA (Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação ? FAO, com o objetivo de treinar e conscientizar a comunidade científica para o uso dos recursos genéticos no melhoramento de plantas em países latino-americanos, bem como divulgar experiências de sucesso na produção de materiais genéticos de espécies agrícolas com genes oriundos de suas raças locais e de seus parentes silvestres.

A sessão de abertura contou com as presenças do representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Hellinton José de Souza; do representante da Divisão de Plantas da FAO, em Roma, Élcio Guimarães; do representante do IICA no Brasil, Jamil Macedo; do assessor da Diretoria Executiva da Embrapa, Ederlon Ribeiro, representando o Diretor-Presidente, Sílvio Crestana e do Chefe-Geral da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, José Manuel Cabral.

Durante a abertura, o representante da FAO, Élcio Guimarães apresentou uma palestra na qual mostrou o panorama atual do melhoramento genético vegetal nos países latino-americanos, incluindo o número de melhoristas e de instituições dos setores público e privado, com o objetivo de auxiliar os países na definição de estratégias para incrementar a conservação e o uso de seus recursos genéticos. ?É preciso avaliar a relação entre a demanda e a oferta de melhoristas nos países para auxiliá-los na tomada de decisões políticas para fortalecer os programas de melhoramento genético em nível mundial?, ressaltou Guimarães.

Pré-melhoramento de plantas: importante ferramenta

O pré-melhoramento de plantas baseia-se na caracterização de materiais não adaptados (raças locais ou parentes silvestres das espécies cultivadas) e na posterior incorporação de genes de interesse localizados nestes materiais em cultivares elites. O objetivo é aumentar a variabilidade genética vegetal de diversas culturas agrícolas, como as de amendoim, mandioca, algodão, entre outras.

Sementes dessas e de outras culturas encontram-se conservadas nas câmaras frias da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em Brasília, DF, a 20ºC abaixo de zero, onde podem ficar por décadas. A Embrapa investe na conservação de espécies vegetais desde a sua criação, na década de 70, com o objetivo de garantir diversidade alimentar para as futuras gerações. Muitas dessas sementes, por serem silvestres ou raças locais e estarem adaptadas às condições ambientais brasileiras, possuem características de resistência a doenças e pragas, que podem ser muito importantes para programas de melhoramento genético, no cruzamento com cultivares lançadas no mercado.

Programação do curso

Participam do Curso as seguintes unidades de pesquisa da Embrapa: Recursos Genéticos e Biotecnologia; Hortaliças e Cerrados, em Brasília, DF; Arroz e Feijão, em Goiânia, GO; Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, MG: Mandioca e Fruticultura Tropical, em Cruz das Almas, BA; Algodão, em Campina Grande, PB; e Trigo, em Passo Fundo, RS.

O curso será constituído por dois módulos, sendo que o primeiro de 17 a 21 de outubro está sendo realizado em Brasília, com a apresentação de palestras de conteúdos teóricos, atividades de integração e compartilhamento de experiências. No segundo módulo, de 23 a 27 de outubro, será ministrada a complementação do treinamento de forma individualizada, quando o treinando irá acompanhar, na prática, atividades de pré-melhoramento em unidades de pesquisa da Embrapa ou de suas instituições parceiras.

Fonte

Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia
Fernanda Diniz – Jornalista
Telefones: (61) 3448-4769 e 3340-3672
E-mail: fernanda@cenargen.embrapa.br
Internet: www.cenargen.embrapa.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Web:

www.editora.ufv.br

Contato:

Richard Jakubaszko

EMail:

richardassociados@yahoo.com.br

DDD e Telefones:

(11) 3879-7099

Descrição:

22013.jpgMarketing da Terra
Editora UFV
282 páginas
R$ 35,00

Autoria de Richard Jakubaszko, jornalista e publicitário, publisher da DBO Agrotecnologia. O livro responde a questões sobre como agregar valor a commodities utilizando-se algumas das técnicas do marketing. Não é um livro sobre marketing, mas de como usar essa moderna ciência em prol dos produtos primários. Numa linguagem acessível, os autores apontam caminhos, propõem soluções, debatem e questionam o que pode ser feito para agregar valor aos frutos da terra. Marketing da Terra tem como co-autores os engenheiros agrônomos da Embrapa Ariovaldo Luchiari Júnior, Décio Gazzoni e Paulo Kitamura, que abordam aspectos do marketing em termos de transgênicos e do meio ambiente, antecipando cenários do que será o futuro breve no agronegócio. O prefácio é do ministro Roberto Rodrigues, entusiasta do assunto marketing como forma de agregar valor aos commodities.

O livro contempla, em análises específicas, o marketing da batata, tomate, soja, café, estufas, hortaliças, frutas, milho, o mercado de carnes vermelhas, cana-de-açúcar e cooperativismo, entre outros temas.

A obra, com 282 pg., custa R$ 35,00 mais despesas postais, e é indicada para agricultores, agentes do agronegócio e de cooperativas, agrônomos e estudantes.

Pedidos

Pedidos via fone (31) 3899-2234 pelo e-mail editora@ufv.br ou pelo site www.livraria.ufv.br ou ainda com o autor no e-mail richardassociados@yahoo.com.br ou pelo fone (11) 3879-7099.

Empresa:

Universidade Federal de Viçosa – MG

Razão Social:

Editora UFV

CNPJ:

0000

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Web:

www.iz.sp.gov.br

Contato:

Dolla/ Irene

EMail:

eventos@iz.sp.gov.br

DDD e Telefones:

(19) 3466-9413

Início:

20 / 10 / 2006

Término:

20 / 10 / 2006

Descrição:

O Instituto de Zootecnia (IZ/APTA/SAA), realizará e quot;Encontro Técnico sobre Leguminosas Forrageiras e quot;. O evento ocorrerá dia 20 de outubro, das 8h às 17h30, na sede do IZ, em Nova Odessa (SP).

O encontro apresentará soluções para a para produção e alimentação animal, especialmente visando proporcionar sustentabilidade e melhoria da qualidade do sistema de produção animal.

A coordenação do evento é dos pesquisadores do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Nutrição Animal e Pastagens do IZ, que farão palestras, intercâmbio de informações, instruções e debates sobre o assunto.

Para mais informações, entre em contato com Cristina (19) 3466-9455 ou pelo email : eventos@iz.sp.gov.br.

Programação

8h:00-8h:45 ? Credenciamento

8h:45-9h:00 – Abertura

9h:00-9h:30 ? Retrospectiva sobre o uso de leguminosas em pastagens
Dr. Valdinei Tadeu Paulino ? APTA/IZ

9h:30-9h:45 – Debate

9h:45-10h:30 ? Novas alternativas de germoplasma forrageiro (leguminosas)
Dr. Paulo Bardauil Alcântara – APTA/IZ

10h:30-10h:45 – Debate

10h:45-11h:15 – Intervalo

11h:15-12h:00 ? Sustentabilidade de pastagens consorciadas ? formação e manejo
Dr. José Marques Pereira ? CEPLAC/UESC

12h:00-12h:15 ? Debate

12h:30?14h:00 – Almoço

14h:00-14h:45? Integração lavoura-pecuária
Dr. Sérgio Alves ? IAPAR/PR

14h:45?15h:00 ? Debate

15h:00?17h:30 ? FÓRUM

15h:00?15h:30 – Mercado de leguminosas forrageiras
Dr. Alberto Takashi Tsuhako – MATSUDA

15h:30?16h:00 ? Depoimento de Produtor
Experiências na formação e manejo de pastos consorciados
Dr. Edson Luis Cunha da Rocha
Agropecuária Ribeirão – Chapadão do Sul – MS

16h:00?16h:15 ? Intervalo

16h:15-16h:45 ? Depoimento de Pesquisador
Desempenho animal com o uso de leguminosas
Antonio João Lourenço ? APTA/ IZ

Serviço

Encontro Técnico sobre Leguminosas Forrageiras
Soluções Tecnológicas para o Século XXI
Data: 20 de outubro de 2006
Local: Sede do Instituto de Zootecnia
Endereço: Rua Heitor Penteado, 56- Nova Odessa/SP
Web: www.iz.sp.gov.br

Inscrição

R$100,00 – para o público geral
R$ 25,00 – para estudantes, até o dia 29/09

Organização Responsável:

Instituto de Zootecnia

CNPJ:

46384400/0025-16

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Uma nova massa de ar polar está sobre o Rio Grande do Sul. Segundo a Climatempo Meteorologia, no começo da semana este sistema deixou a temperatura amena no Estado, mas os termômetros subiram rapidamente. Com isso, os produtores de trigo, aproveitando o tempo firme, estão em processo acelerado de colheita.

Patrícia Madeira, meteorologista da Climatempo, explica que o rendimento das lavouras diminuiu com o inverno seco e o pouco frio deste ano, mas, desde o início da primavera, a chuva voltou a ficar regular. e quot;Regular até demais, já que durante vários dias do final de setembro e do início de outubro os produtores não puderam trabalhar, por conta do excesso de umidade e quot; conclui a meteorologista.

Nos próximos dias a grande massa de ar seco e quente vai permanecer sobre o Estado e a próxima frente fria só deve chegar em torno do dia 25. Ela traz alguma chuva, mas ainda isolada e passageira. e quot;O tempo volta a ficar mais carregado a partir do dia 27, com a chegada de áreas de instabilidade vindas da Argentina. Esta chuva, sim, tem potencial para paralisar as atividades e umedecer as plantas e quot; finaliza Patrícia. O total de chuva acumulado fica entre 30 e 70 mm até o fim do mês.

Grupo Climatempo

O Grupo Climatempo é a maior empresa privada de meteorologia do país. Uma holding formada pela Climatempo Meteorologia (consultoria), a TV Climatempo, a Agência, os serviços de tecnologia e informática e a Climatempo Produções.

Atualmente, o Grupo Climatempo fornece conteúdo para mais de 50 retransmissoras de televisão do Brasil e tem cerca de mil clientes. Os dois principais segmentos atendidos são o de agronegócios e meios de comunicação. Além destes, fornece conteúdo meteorológico estratégico para produtoras, a indústria eletroeletrônica e têxtil, comércio, moda e turismo, entre outros setores.

O Grupo é presidido pelo meteorologista Carlos Magno, um dos precursores da profissão no País, com mais de 23 anos de carreira, que ajudou a mudar a cultura que o brasileiro tinha sobre a meteorologia. O Grupo Climatempo conta ainda com Ana Lúcia Frony vice-presidente, e os diretores executivos Renato Urbinder (Comercial e Climatempo Internet), Gilca Palma (Climatempo Meteorologia), André Madeira (Agência Climatempo) e o jornalista Paulo Polli (TV Climatempo) no Conselho Consultivo.

Para mais informações, acesse: www.climatempo.com.br.

Fonte

Linhas e amp;Laudas Comunicação
Rodrigo Figliola – Jornalista
E-mail: rodrigo@linhaselaudas.com.br
Internet: www.linhaselaudas.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais