Técnicos do Ministério da Agricultura do Brasil e do Ministério da Administração Geral da Supervisão da Qualidade, Inspeção e Quarentena da China estiveram reunidos, desde às 9h de ontem (10/11), na Secretaria de Defesa Agropecuária do ministério. Na reunião, foram finalizados os protocolos sanitários e fitossanitários que visam facilitar o comércio agrícola entre os dois países.
Anteontem, após reunião com o ministro chinês Li Chiangjiang, o ministro Roberto Rodrigues, disse que estavam “praticamente fechados” os protocolos que permitirão a venda de carne bovina, suína, frango e suco de laranja do Brasil para a China. Na contrapartida, o Brasil deve autorizar a compra de envoltórios naturais (tripas) da China.
Os protocolos devem ser assinados pelos presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da China, Hu Jintao, durante visita oficial da missão chinesa ao Brasil. A visita começa hoje. Na entrevista de terça-feira, Rodrigues disse que uma vez assinados, o comércio pode começar em até 60 dias.
Com informações da Agência Estado.

Fonte: Visão Pecuária

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A ACNB – Associacão dos Criadores de Nelore do Brasil (www.nelore.org.br), e a Associação Capixabados Criadores de Nelore (ACCN) promovem nos próximos dias 17,18 e 19 de novembro, em Colatina (ES), a 14ª etapa da segunda edição do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças (CBV). Pela primeira vez, o CBV – que tem como objetivo analisar, avaliar e mapear o desempenho frigorífico da raça Nelore em todo o País – é realizado em solo capixaba. Na ocasião, cerca de 400 animais devem passar pelos critérios de avaliações da ACNB nas dependências do Frisa Frigorífico Rio Doce S/A.
“Essa iniciativa é de suma importância para o desenvolvimento da pecuária brasileira. Conhecendo características específicas da região é possível estabelecer parâmetros que vão contribuir para que os pecuaristas sejam orientados sobre como obter o melhor rendimento de seu rebanho”, destaca Eládio Curado de Vellasco Filho, gerente técnico da ACNB. “Com essa etapa, o Programa expande seu campo de atuação e passa a abranger nove Estados brasileiros, além de uma etapa que este ano foi realizado no Paraguai”, considera.
Segundo uma das coordenadoras da ACCN, Ivone Bueno, as expectativas para a primeira etapa do CBV no Espírito Santo são muito boas. “É um acontecimento significativo para os criadores do nosso Estado e que certamente proporcionará a divulgação do rebanho capixaba”, comenta Ivone. Segundo levantamentos feitos pela FNP Consultoria, o Estado do Espírito Santo conta com cerca de 1,69 milhão de cabeças de bovinos de corte (ANUALPEC 2004).
“A intenção é trazer compradores da carne Nelore, como supermercados, por exemplo, para que eles possam ser espectadores. Assim, a confiabilidade sobre o produto aumenta e, com isso, o número de vendas também”, argumenta Nilton Maciel, responsável pelas compras de carcaças do Frisa Frigorífico.
O CBV é dividido em três julgamentos, dos quais será definido um campeão e um reservado-campeão para cada um dos campeonatos. Dia 17/11 (quarta-feira), Julgamento “In Vivo” e mesa redonda com representantes da ACNB e da Tortuga apresentando palestras; 18/11 (quinta-feira), Julgamento Carcaça Quente; 19/11 (sexta-feira), Julgamento Carcaça Resfriada e entrega dos prêmios aos vencedores de cada campeonato.
O Circuito Boi Verde cumpre a função de analisar as diferentes realidades brasileiras e classificar os melhores desempenhos do Nelore nos diversos Estados e aproveita para orientar os produtores sobre a importância dos lotes padronizados, em relação a raça, sexo, idade, peso e acabamento. Para o Campeonato é necessário que os animais tenham até quatro dentes incisivos permanentes (abaixo de 36 meses), com peso entre 16 e 19@ e cobertura de gordura de 3-6 mm de espessura sobre o contra filé. O evento é uma uma iniciativa da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB) e conta com o patrocínio da Tortuga Companhia Zootécnica.
William Parron
parron@contatocom.com.br
Fonte
ContatoCom
http://www.contatocom.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O governo russo vai mandar uma missão técnica ao Brasil, no dia 15 de novembro, para visitar a região de Careiro do Várzea (AM), onde foi detectado um foco de febre aftosa em setembro passado. A descoberta levou o país a suspender as compras de carnes bovina, suína e de frango do Brasil.
O envio da missão, que chegará ao país seis dias antes do presidente russo Vladimir Putin, foi anunciado pelo chefe do Departamento Veterinário da Rússia, Eugene Nepoklonov em reunião ontem com o chefe do setor econômico da Embaixada do Brasil em Moscou, André Odembreit. A informação é de Cláudio Martins, diretor-executivo da Abef (reúne exportadores de frango), que falou com os representantes brasileiros em Moscou.
Segundo Martins, a missão vai visitar a região afetada pela aftosa e ver o que o Ministério da Agricultura está fazendo para controlar a doença. Só após a visita é que deve ser tomada uma decisão sobre o embargo. Martins disse que o envio da missão surpreendeu pois se imaginava que a suspensão seria levantada antes da visita do presidente russo. Ele acredita, agora, que o próprio Putin poderia anunciar o fim do embargo.
A manutenção da proibição preocupa o setor de carnes, apesar de segmentos como o de bovinos e frango ainda não terem sido afetados, já que a Rússia permitiu embarque de produto proveniente de animais abatidos antes de 20 de setembro, início do embargo.
Em outubro, as vendas de frango à Rússia cresceram (29,1%) em relação ao mesmo mês de 2003, alcançando 6,7 mil toneladas. “Mas poderíamos ter embarcado outras 3 mil toneladas não fosse a restrição russa”, disse Martins. No total, em outubro, o Brasil exportou 219,3 mil toneladas de carne de frango, alta de 39,4% ante igual mês de 2003. A receita cresceu 44%, para US$ 217,8 milhões, segundo a Abef. Mais um vez, as vendas externas bateram recorde, em volume e receita, no acumulado até outubro. O faturamento alcançou US$ 2,145 bilhões, alta de 47%, e foram embarcadas 2,034 milhão de toneladas, crescimento de 26% no ano.
E a expectativa é de que o crescimento continue, já que a China, que tem uma comitiva visitando o Brasil, assinará protocolos sanitários com o país. Segundo Martins, a China importa 200 mil toneladas de frango/ano e o Brasil poderia conquistar 25% desse volume.
Alda do Amaral Rocha
De São Paulo

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A comissão especial da Câmara encarregada de analisar a nova Lei de Biossegurança aprovou ontem o relatório do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) que facilita a liberação de transgênicos, depois de um dia de tensas negociações. A proposta foi aprovada graças a uma manobra da bancada ruralista que, com o apoio de setores do governo, destituiu o deputado Renildo Calheiros (PCdoB-PE) – que defendia um texto mais restritivo – da relatoria do projeto.
A proposta tem como base o parecer do senador Ney Suassuna (PMDB-PB), já aprovado pelo Senado. O projeto prevê a liberação do plantio e da comercialização da soja da safra deste ano e amplia os poderes decisórios da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). O texto terá agora que ser apreciado pelo plenário da Câmara.
Pelo texto de Perondi, a CTNBio terá a palavra final sobre a liberação de pesquisa, plantio, comércio ou qualquer outra atividade relacionada a produtos geneticamente modificados. Pelo projeto original, essas atribuições eram partilhadas com o Conselho Nacional de Biossegurança, composto por cientistas, integrantes do governo e por representantes da sociedade civil. O conselho, uma instância com forte componente político, tinha até poderes para revisar decisões da CTNBio.
Para parlamentares contrários à liberação dos transgênicos, o projeto também enfraquece o poder de influência dos ministérios do Meio Ambiente e da Saúde nas decisões.

Fonte: Jornal O Globo

Compartilhe esta postagem nas redes sociais