Frutas, legumes e verduras respondem por 6,4% do faturamento das redes no Brasil

Envelhecimento da população, aumento da expectativa de vida e preocupação por uma alimentação mais saudável têm aumentado o consumo de frutas, legumes e verduras nos últimos anos. O reflexo desta tendência aparece nos números do setor. Segundo o ranking da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), nas últimas duas décadas, a participação da seção de hortifrutigranjeiros no faturamento dos supermercados passou de 2% para 6,4%.

Se antes, os consumidores escolhiam apenas as feiras livres, hoje estas representam apenas 48% da preferência de consumo.

Investir na seção de hortifruti é interessante para o mercado porque faz o consumidor ir mais vezes ao ponto de venda em função da perecibilidade dos produtos. Segundo pesquisa da LatinPanel, o interesse em aumentar a oferta de produtos aumenta porque quem compra frutas, legumes ou verduras acaba gastando até 20% a mais em outras seções.

Acompanhando esta mudança de hábitos, o supermercadista investiu na área, oferecendo mais variedade, qualidade, ofertas, produtos diferenciados, como os orgânicos, lavados ou em porções pequenas que agradam o consumidor. Aliado à comodidade, segurança, praticidade de concentrar as compras, o supermercado sai ganhando.

?A boa apresentação desta área é como um cartão de visitas ao consumidor. O frescor, as cores, e o clima do campo atraem o consumidor, principalmente, aquele mais preocupado com a alimentação saudável?, afirma João Carlos de Oliveira, presidente da Abras.

A Abras, por meio de sua Escola Nacional de Supermercados, oferece cursos de Hortifruti, garantindo ao varejista o maior conhecimento sobre o FLV e as formas de atender melhor o consumidor destes produtos.

Para maiores informações, acesse: www.abrasnet.com.br.

Fonte

Ex-Libris Comunicação Integrada
Lúcia Mesquita – Jornalista
E-mail: lucia@libris.com.br
Internet: www.libris.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju ? SE) é uma das Unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que participa do I Agrishow Semi-Árido que acontece de 11 a 15 de julho, em Petrolina (PE). A Unidade expõe tecnologias e produtos desenvolvidos pelos seus pesquisadores e que podem ser adotadas na região Semi-árida.

Durante a feira, que ocupa uma área de 20 hectares do Escritório de Petrolina da Embrapa Transferência de Tecnologia, o público conhecerá as variedades Caatingueiro, Asa Branca e Sertanejo que fazem parte do programa de Melhoramento Genético de Cultivares Milho para o Nordeste Brasileiro desenvolvido em parceria com a Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas ? MG). O programa, que existe vários anos, já beneficiou milhares de produtores principalmente os pequenos agricultores familiares que formam a maior parte do público do evento. As variedades podem ser vistas em quatro fases de plantio nas unidades demonstrativas que foram instaladas no local.

No estande da Unidade da Embrapa Tabuleiros Costeiros, o público terá a oportunidade de conferir a eficiência do produto Curadermite que foi desenvolvido para prevenir e combater a doença de podridão dos cascos de ovinos e caprinos e também de bovinos. Este produto tem eficiência superior à dos similares e em apenas três aplicações a doença é controlada.

Outras tecnologias que os participantes irão conhecer, no estande, são o controle de pragas de coqueiro, como a broca-do-olho-do-coqueiro; e a compostagem de resíduos agroindustriais e produção de adubos orgânicos.

A expectativa é que cerca de 60 mil pessoas passem pelo evento, que tem o intuito de fomentar a transferência e o conhecimento de tecnologias para produtores que mantém suas atividades agropecuárias em condições ambientais muito adversas. O evento também conta com a presença de diversas empresas e instituições públicas e privadas.

A feira é organizada pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (abimaq) e a Embrapa, com o patrocínio do Governo de Pernambuco através das secretarias de Desenvolvimento Econômico e de Produção Rural e Reforma Agrária – Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Bradesco.

Fonte

Embrapa Tabuleiros Costeiros
Gislene Alencar – Jornalista
E-mail: gislenealencar@cpatc.embrapa.br
Internet: www.cpatc.embrapa.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Associação Brasileira das Empresas de Tratamento Fitossanitário e Quarentenário (ABRAFIT) informa que, após reunião realizada em abril deste ano na sede da FAO, em Roma, pela Comissão de Medidas Fitossanitárias, da Convenção Internacional de Proteção dos Vegetais, a Norma Internacional de Medidas Fitossanitárias nº 15 (NIMF 15) sofreu alteração na tabela de concentração de Brometo de Metila.

?A alteração que acaba de entrar em vigor determina que o tempo mínimo de exposição das embalagens e suportes de madeira ao gás Brometo de Metila, que antes era de 16h, passa a ser de 24h. Os exportadores devem ficar atentos aos tratamentos exigidos pela NIMF 15 e também para essa mudança, para não correrem o risco de terem sua mercadoria rechaçada no país de destino?, explica Marco Bertussi, presidente da ABRAFIT.

Segundo Odilson Ribeiro, Diretor do Departamento de Assuntos Sanitários e Fitossanitários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que participou do encontro, essa alteração na tabela tem um aspecto bastante positivo. ?Essa mudança permitirá um controle mais efetivo das pragas que podem ser disseminadas via embalagens de madeira?.

NIMF 15

A NIMF15 foi editada em marco de 2002 pela Organização das Nações Unidas (ONU) para a Agricultura e Alimentação (FAO), com o objetivo de facilitar o processo de certificação fitossanitária das embalagens e suportes de madeiras com o uso de marca reconhecida internacionalmente, indicando que o material foi submetido ao Tratamento por Fumigação com Brometo de Metila (MB) ou Tratamento Térmico (HT), recomendados para eliminar os organismos vivos presentes nas embalagens e suportes de madeiras utilizados no trânsito internacional de mercadorias.

Entre os países que já adotaram a NIMF 15 estão África do Sul, Argentina, Áustria, Bolívia, Bulgária, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, Egito, Equador, EUA, Filipinas, Guatemala, Honduras, Índia, Jordânia, México, Nicarágua, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Suíça, Taiwan, Turquia, Venezuela, União Européia e Brasil através da Instrução Normativa nº 4, que foi editada em caráter emergencial, em janeiro de 2004, para atender ao principio de reciprocidade entre os países que já adotaram a Norma de forma definitiva.

Sobre a ABRAFIT

A ABRAFIT ? Associação Brasileira das Empresas de Tratamento Fitossanitário e Quarentenário – é uma entidade de âmbito nacional, sem fins lucrativos, que congrega empresas especializadas de tratamento fitossanitário e quarentenário registradas no Ministério da Agricultura e juridicamente habilitadas para a execução de tratamentos fitossanitários e quarentenários, em qualquer de suas modalidades.

Sua missão é representar os interesses das empresas associadas, promover o desenvolvimento técnico-operacional do setor, dentro dos princípios de preservação do meio ambiente, e colaborar com o Ministério da Agricultura e demais órgãos nos assuntos referentes à barreira fitossanitária e tratamentos fitossanitários e quarentenários.

As empresas associadas a ABRAFIT estão subordinadas ao estatuto e regimento da entidade, têm comprovada capacidade técnica e experiência mínima de dois anos, de forma a oferecer maior segurança às empresas contratantes.

Para maiores informações, acesse: www.abrafit.org.br.

Fonte

Suggestiva Comunicação
Juliana Lopes
E-mail: Suggestiva@uol.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Cerca de 250 pessoas participaram da palestra sobre ?Segurança de Alimentos em Produtos Avícolas?, ministrada pelo consultor técnico da Bayer Aves e Suínos, Paulo Lourenço, no VIII Simpósio ACETAV.

Na palestra foi abordado os principais patógenos que comprometem a qualidade do alimento, como a Salmonela, Listéria, Campilobacter, e.coli, explicando suas conseqüências para o homem, grau de ocorrência no Brasil e no mundo, a importância e necessidade de controlá-los.

Segundo o representante técnico de vendas da Bayer Aves e Suínos, Cleyson Damião, a participação no evento serviu para estreitar os laços de parceria com a TECNAVIC. ?Além de representar a Bayer na região, foi possível fortalecer a parceria com o distribuidor e os clientes do Ceará?, informa.

O evento que ocorreu em conjunto com o PECNORDESTE e a Feira de Produtos Agropecuários, no período de 3 a 5 julho, reuniu aproximadamente três mil pessoas e constitui numa oportunidade de realização de negócios.

Fonte

i9 Comunicações
Renata Giovanelli
E-mail: inovecomunica1@terra.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais