Exames realizados pelas autoridades vietnamitas em uma das três pessoas que morreram no país contaminadas pela gripe do frango indicam a presença do vírus H5N1, o mesmo que matou 16 pessoas no Vietnã e oito na Tailândia no início deste ano, numa epidemia que atingiu vários países da Ásia.
Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), é possível uma mutação do vírus devido às infecções em humanos, com “grande potencial pandêmico”, declarou Hans Troedsson, representante da instituição. Em um comunico do Ministério da Saúde do Vietnã, “não há remédios nem vacinas contra esta doença”.
Autoridades do Ministério da Saúde vietnamita declararam que as oito pessoas suspeitas de estarem infectadas pela gripe aviária estavam internadas e que estão investigando outras mortes que teriam sido registradas no sul da província de Hau Giang, no Vietnã.

Fonte: Avicultura Industrial

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A exportação de carne bovina bateu um novo recorde no mês de julho. As vendas em dólar cresceram 84% em relação ao mesmo período do ano passado. Em Mato Grosso do Sul, o crescimento das exportações provoca um aumento do preço do boi rastreado. 
O preço do boi rastreado foi um dos motivos que estimularam o pecuarista Bernard Louvet a registrar os animais no sistema de rastreamento bovino. O outro motivo é controle zootécnico do rebanho. “Você tem um controle maior até para ver o peso e acompanhar o rendimento de animal para animal é um ponto positivo que muitos pecuaristas não estavam fazendo”. 
O sistema é uma exigência do governo federal, a identificação é feita com um brinco colocado na orelha direita e o botão na orelha esquerda. Nos dois acessórios, o número é o mesmo e facilita a localização do animal em caso de extravio do brinco padrão. 
Depois de receber o brinco padrão e o botão com o número fornecido pelo Ministério da Agricultura, o próprio fazendeiro pode fazer a aplicação nos animais. Em uma ficha são registradas as informações do rebanho, como raça, sexo, idade e aptidão, se é gado de corte ou de leite ou as duas coisas. 
Em outra propriedade, em Campo Grande, apenas 10% dos bovinos foram rastreados. A pecuarista Geracina Lima disse que a dificuldade está na burocracia e no manejo. “Estou começando de pouco, mas pretendo até o fim do ano rastrear quase tudo. Tudo é difícil por causa da mão-de-obra, é complicado. É isso que me atrapalha um pouco”. 
Cada brinco custa em média 12 reais. A certificadora cobra também o mesmo valor para fazer o registro do animal. As fábricas, que há quatro meses, não tinha brinco suficiente para atender a procura, agora abastecem o mercado normalmente, como explica o empresário Pedro Galvão. “Houve um aumento de mais ou menos 400% de produtores ao sistema. Então as fábricas de brinco não estavam conseguindo dar conta até se adaptarem, demorando de 40 a 50 dias para entregar os brincos. Hoje já está normal, entrega de 10 a 15 dias úteis”. 
A procura pelo boi rastreado foi provocada pelo crescimento das exportações de carne bovina. Isso aumentou a diferença de preços de um ano para cá, desde que entrou em vigor a obrigatoriedade do rastreamento para exportação. Em Campo Grande, por exemplo, a arroba do boi comum valia em agosto do ano passado 55 reais, a do rastreado 56. Na sexta-feira, o comum caiu para 54 reais , 2% a menos em doze meses e o rastreado foi para 59 reais, alta de 5,3%. A diferença entre o comum e o rastreado que era de apenas um real no início, agora é de cinco reais. 
Em Mato Grosso do Sul, nove milhões de animais já foram registrados no sistema de rastreamento bovino. Isso representa 36% do rebanho do estado. Num boi com dezesseis arrobas, essa diferença de cinco reais por arroba acaba resultando num ganho de até oitenta reais por animal rastreado.

Fonte: www.agrosoft.com.br

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O Ministro Patrus Ananias do Combate à Fome, inaugurou ontem na cidade de Paulista, em Pernambuco, a terceira etapa do Projeto Cozinha Brasil, que pretende capacitar 100 mil brasileiros, até 2006, como multiplicadores de comida saudável, barata e sem desperdícios. O estado é o terceiro a receber o projeto, já lançado com sucesso no Espírito Santo e em Minas Gerais. Um parlamentar pernambucano, que prefere o anonimato, sugere que “Sem buchada de bobe, esse programa não vai pegar na minha terra”.

Fonte: Redação Portal Agrosoft

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A Organização Mundial de Saúde confirmou três casos fatais da gripe do franco em humanos no Vietnã, sendo os primeiros casos confirmados oficialmente pelo governo vietnamita desde fevereiro deste ano. As vítimas integram um grupo de pacientes hospitalizados entre 19 de julho e 8 de agosto. De acordo com os resultados dos testes preliminares realizados, o vírus encontrado é do tipo H5.
Com informações da OMS – Visão Rural – Gazeta Mercantil

Fonte: Redação do Portal Agrosoft

Compartilhe esta postagem nas redes sociais